Notícias

Presidente da Assembleia, Ademar Traiano pede que plenário seja desocupado pelos manifestantes 

Traiano destacou a importância de votar os projetos que já foram aprovados pelo Governo Federal

Guilherme
Guilherme Becker / Editor

3 de dezembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 1 de julho de 2020 - 15:11

O presidente da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) informou, por meio de nota, que já solicitou que as medidas jurídicas sejam tomadas para que o plenário seja desocupado pelos manifestantes. Segundo Ademar Traiano, a votação da PEC foi interrompida nesta terça-feira (3) e não sabe-se quando será retomada. 

“Vamos avaliar o momento oportuno, não tenho definição ainda se continuaremos o processo no dia de amanhã (quarta-feira). Entrei com medida jurídica para que a Justiça conceda liminar e fazer com que os invasores saiam do plenário”, declarou Traiano.

A APP-Sindicato informou, por nota, que os manifestantes passarão a noite na Alep

Confira a nota oficial na íntegra divulgada pela Alep:

“O presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano, disse que a Procuradoria da Casa já entrou com uma medida jurídica para que o plenário seja desocupado pelos invasores. “Vamos avaliar o momento oportuno, não tenho definição ainda se continuaremos o processo no dia de amanhã (quarta-feira). Entrei com medida jurídica para que a Justiça conceda liminar e fazer com que os invasores saiam do plenário”, declarou. “Temos ainda muitas matérias importantes a serem votadas, inclusive o orçamento do Estado, e que precisam ser votadas até o dia 17. Por isso, precisamos continuar com as sessões”, completou.

Segundo Traiano, “infelizmente um dos pilares da democracia, que é o Parlamento, foi mais uma vez invadido por vândalos que se manifestam como servidores públicos. Invadiram o plenário, pessoas encapuzadas, destruindo o patrimônio público, jogando pedras nos policiais, arrebentaram os vidros de proteção. Já qualificamos quatro deles, que foram detidos, vamos tomar as providências jurídicas e também em relação aos sindicalistas, àqueles que individualmente insuflaram o movimento. A propositura da medida é nesse sentido aplicando multa, até porque se não houver a liberação do plenário as multas serão aplicadas”.

Por fim, Traiano disse da necessidade de votar os projetos que promovem a alteração no plano de previdência dos servidores. “Essa matéria do Governo é essencial para a vida dos servidores do estado, segue rigorosamente aquilo que o Governo Federal já votou e está aplicando, é pelo bem dos servidores”.

Já o primeiro secretário da Assembleia, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), reforçou o papel de diálogo que a Assembleia tem mantido com o Governo e servidores. “Desde o início do dia, a Assembleia Legislativa tem mantido conversas com os servidores e o Governo sobre o projeto de reforma da previdência que chegou à Casa. O papel do Parlamento neste momento é de mediar e discutir esse importante tema sempre pensando no interesse público”.”

Manifestantes invadem a Alep

Durante os protestos na tarde desta terça-feira (3) em frente à Alep, os manifestantes ficaram revoltados após os portões serem fechados. Depois de atingir o limite, de 250 pessoas, a Polícia Militar bloqueou o acesso dos demais manifestantes. Indignados, uma porta da Alesp foi quebrada, grades foram derrubadas e pessoas invadiram o plenário.

A sessão que votaria a PEC foi interrompida. Durante o acesso ao plenário, os manifestantes propagaram gritos de ordem como “A casa é do povo”, “Retira” (em alusão a votação) e até “Polícia Militar, sua hora vai chegar”.

Segundo a PM, quatro pessoas foram detidas, porém, já foram liberadas. Apesar de imagens mostrarem manifestantes com ferimentos, a PM informou que não havia relato de feridos. Confira imagens da invasão:

Um parede da Alep também foi pichada por manifestantes “o fantasma do comunismo voltou”, confira:

Pichacao alesp

(FOTO: COLABORAÇÃO)

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.