Justiça

MP oferece denúncia contra policial e diz que jogo de cartas motivou assassinato de primo

De acordo com a denúncia, os primos estavam em outro estabelecimento comercial antes de irem até a distribuidora de bebidas onde aconteceu o crime

Guilherme
Guilherme Becker / Editor
MP oferece denúncia contra policial e diz que jogo de cartas motivou assassinato de primo
(Foto: Reprodução/ Redes Sociais/ RICtv)

14 de abril de 2022 - 11:35 - Atualizado em 14 de abril de 2022 - 11:35

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) ofereceu denúncia nesta quarta-feira (13) contra o policial civil aposentado Ninrod Jois Santi Duarte Valente. O homem é suspeito de atirar e matar o próprio primo, José Augusto Paredes, que era ex-investigador da mesma corporação. O crime aconteceu no dia 3 de abril, em uma distribuidora de bebidas no bairro Seminário, em Curitiba.

De acordo com a denúncia do MP-PR, o crime foi praticado por motivo fútil, visto que um possível desentendimento por causa de um jogo de cartas acarretou os disparos contra Paredes. Segundo o documento, a vítima, Valente e um terceiro indivíduo estavam em um outro estabelecimento comercial quando teve início uma discussão

Paredes e o outro homem jogavam cartas e Valente acusou um deles de roubar durante a partida. Pouco depois, o trio foi até a distribuidora de bebidas, onde Valente sacou uma arma e disparou contra a vítima. O MP-PR ainda destacou que os tiros geraram risco comum, visto que outras 15 pessoas estavam no estabelecimento comercial.

“Uma das pessoas, inclusive, que tocava violão, encontrava-se imediatamente atrás da vítima, na linha direta de tiro do denunciado”,

revelou o MP.

Na denúncia, o MP ainda indicou uma tentativa de homicídio por parte de Valente. “Dirigiu-se até a parte externa do estabelecimento, apontando a arma de fogo para a filha da vítima”, descreveu o documento, informando que Valente tentou disparar contra a filha de Paredes, que estava sentada com uma amiga na parte externa da distribuidora.

O crime foi evitado graças a um terceiro indivíduo que impediu que o disparo fosse realizado na direção da mulher.

policial-morto-distribuidora
Paredes foi baleado e não resistiu (Foto: Reprodução/ Redes Sociais)

O que falam os advogados

Com a denúncia, Valente deve continuar preso. O advogado que defende o suspeito contou que o policial civil aposentado teve motivação suficiente para justificar o ocorrido, com isso, a denúncia não deve ser mantida.

“A denúncia crime traz uma hipótese criminal precipitada, sem nenhum fundamento fático. É mais do que fato que ela não resistirá ao contraditório e à ampla defesa. O policial Valente teve motivação suficiente a justificar o ocorrido”,

declarou Claudio Dalledone.

Já os advogados que representam a família de Paredes revelaram que esperam a condenação do policial aposentado.

“O Valente, que com certeza será expulso da polícia, foi denunciado por homicídio em face de Guto Paredes e denunciado também por tentativa de homicídio contra a filha de Paredes. Ficou provado na investigação, que a motivação foi fútil, banal, desproporcional, insignificante, para que Valente retirasse a vida de Paredes. Não existe pano de fundo com base em roteiros de filmes hollywoodianos, o que existiu foi uma covardia e brutalidade por parte de Valente .Esperamos uma condenação severa no tribunal do júri, desse indivíduo que mesmo com problemas de saúde, se mostrou um perigo para a sociedade”,

contou Igor José Ogar, em nota.