Infraestrutura

Após 24 anos, cancelas de pedágio estão totalmente abertas no Paraná

Abertura das cancelas não teve grandes ocorrências no Estado neste domingo (28); alguns motoristas esperaram a meia noite para não precisarem mais pagar a tarifa

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais com informações da Agência Estadual de Notícias
Após 24 anos, cancelas de pedágio estão totalmente abertas no Paraná
Encerramento dos atuais contratos de concessão de rodovias no Paraná. Abertura das catracas da praça de pedágio da Ecovia, na BR-277, em São José dos Pinhais, ocorrida à 0h00 deste domingo. - Curitiba, 28/11/2021 - Foto: Ari Dias/AEN

28 de novembro de 2021 - 10:44 - Atualizado em 28 de novembro de 2021 - 10:44

Motoristas que passaram pela praça de pedágio da BR-277, em São José dos Pinhais, comemoraram com buzinaço espontâneo o fato de poderem seguir ao litoral do Paraná sem pagar pedágio. As cancelas foram abertas à meia-noite deste domingo (28), após 24 anos de contrato do governo estadual com as concessionárias de pedágio. O pedágio de São José dos Pinhais não era o mais caro do Paraná, porém não ficava muito atrás de Jataizinho, no norte do Estado, que era o mais caro do Brasil.

Pouco antes da meia-noite, alguns veículos ainda pagaram a tarifa, uns porque desconheciam que o encerramento da concessão seria neste sábado (27), outros porque estavam com pressa para chegar ao Litoral. Porém, quando faltavam cerca de 15 minutos para a abertura das cancelas, boa parte dos veículos parou para esperar a liberação. Quando, finalmente, a passagem foi liberada, os condutores festejaram com buzinaço.

A transição foi acompanhada pela força-tarefa integrada estruturada pelos governos Estadual e Federal. O diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem, Fernando Furiatti, compareceu na praça da Ecovia na BR-277, sentido Litoral. Além de servidores do DER, participaram profissionais da Polícia Rodoviária Federal, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), Polícia Civil e Polícia Militar.

“É um momento histórico para o Paraná. É o começo de uma nova história com contratos com preços justos e com obras em execução. O DER está acompanhando a canalização do tráfego, para que ele flua normalmente”,

disse Furiatti. Ele contou que não houve incidentes em nenhuma das praças liberadas no fim de semana.

No começo deste domingo, foram liberadas mais 13, das 27 praças de pedágio. De responsabilidade da concessionária Caminhos do Paraná, foram liberadas:

  • Prudentópolis/Relógio,
  • Irati
  • Porto Amazonas
  • Imbituva
  • Lapa

Da concessonária Rodonorte, foram liberadas:

  • Balsa Nova
  • Palmeira
  • Carambeí
  • Jaguariaíva
  • Tibagi
  • Imbaú
  • Ortigueira

Da Ecovia, foi aberta:

  • São José dos Pinhais

As outras 14 praças de pedágio já tinham sido desativadas na madrugada de sábado (27): Jacarezinho, Jataizinho e Sertaneja (relativas à Econorte); Arapongas, Mandaguari, Presidente Castelo Branco, Floresta, Campo Mourão e Corbélia (relativas à Viapar) e São Miguel do Iguaçu, Céu Azul, Cascavel, Laranjeiras do Sul e Candói (relativas à EcoCataratas).

Economia pro bolso

Luciano, morador em Morretes, fez o cálculo da economia que irá fazer. Todos os dias ele pega legumes hidropônicos em São José dos Pinhais e retorna para distribuir o produto no Litoral. “São R$ 47,60 por dia, em um mês faz diferença”, resumiu. São mais de R$ 1 mil por mês em pedágio.

Gustavo Santiago mora em Paranaguá e, neste domingo, voltava de uma visita a Curitiba. Ele ficou satisfeito com a suspensão do pedágio, mas não descartou a necessidade de tarifar a rodovia. “O valor segundo soube vai abaixar, vai ficar muito bom para todo mundo. Porque o valor está muito abusivo”, afirmou.

O morador de Curitiba, Lucas Andrade, descia ao Litoral com a família, na noite de sábado (27). Ele diz que a economia com o a liberação do tráfego será sentida, pois costuma fazer o trajeto uma vez por semana, pelo menos. “Temos imóveis lá e um comércio da família”, contou, a poucos minutos da abertura das cancelas.