Futebol

Torcedores do Boca são presos por injúria racial e apologia ao nazismo; Corinthians repudia

No total, seis torcedores foram detidos, mas somente três acabaram presos por conta de imagens que comprovam as alegações dos torcedores do Corinthians

Gazeta
Gazeta Esportiva
Torcedores do Boca são presos por injúria racial e apologia ao nazismo; Corinthians repudia
(Foto: Reprodução/ Twitter)

29 de junho de 2022 - 06:41 - Atualizado em 29 de junho de 2022 - 06:41

Dois torcedores do Boca Juniors foram presos na Neo Química Arena, na noite desta terça-feira (28), durante o empate por 0 a 0 contra o Corinthians, pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores. Eles foram acusados pelo crime de injúria racial por torcedores corintianos.

Presos no posto da Polícia Civil dentro do estádio, eles serão encaminhados para o DOPE (Departamento de Operações Policiais Estratégicas) ainda nesta madrugada e tiveram fiança de R$ 20 mil estipulada, cada um, para serem liberados.

Caso isso não aconteça em 24 horas, eles serão apresentados a um juiz, que decidirá o que será feito. Um terceiro homem foi preso, mas não por injúria racial e, sim, por apologia ao nazismo.

Imagens comprovam crime

No total, seis torcedores foram detidos, mas somente três acabaram presos por conta de imagens que comprovam as alegações dos torcedores do Corinthians. Os outros torcedores argentinos, portanto, acabaram liberados.

O Corinthians se posicionou sobre o ocorrido em suas redes sociais, afirmando que “repudia veementemente os atos racistas” e que “estes comportamentos não serão tolerados”.

Confira abaixo a nota completa:

O Corinthians repudia veementemente os atos racistas que envolveram torcedores argentinos na Neo Química Arena nesta terça-feira (28), durante o jogo contra o Boca Juniors pelas oitavas da CONMEBOL Libertadores. Todos foram prontamente conduzidos ao Jecrim do estádio.

Estes comportamentos não serão tolerados.

Dois dos torcedores foram enquadrados por injúria racial. A eles foram aplicadas fianças para liberação.

Fiel à sua história de luta, o Corinthians procederá novamente às queixas cabíveis – o que faremos sempre, até que não seja mais necessário.