Futebol

Conselheiras do Corinthians entram com representações contra Mané da Carne após nova mensagem: “Dou-lhe murro mesmo”

Gazeta
Gazeta Esportiva

16 de novembro de 2021 - 17:12 - Atualizado em 16 de novembro de 2021 - 18:30

O conselheiro Manoel Ramos Evangelista, o Mané da Carne, foi acusado, novamente, de ataques discriminatórios contra colegas que compõem o atual Conselho Deliberativo do Corinthians.

Dessa vez, em um áudio de 6’21 minutos, enviado a um grupo de Whatsapp composto por membros do Conselho corintiano na última sexta-feira, Mané da Carne desdenhou da Lei Maria da Penha e sugeriu a violência física, independentemente de gênero, como a sua maneira de resolver problemas pessoais.

“Agora, puseram uma Lei Maria da Penha que, se puser qualquer coisa, se disser um ‘ó’ pra elas, elas vão (…) ‘ah, machista’, e elas estão me julgando agora. Elas podem tudo e nós não podemos nada. Mas, comigo não tem esse negócio, não. Se uma mulher me ofendeu, vou pra cima dela e dou-lhe murro mesmo”, afirmou o homem de 75 anos.

A Gazeta Esportiva teve acesso ao áudio. Leia, ao fim desta matéria, a transcrição completa da mensagem.

A Lei nº 11.340/2006, também conhecida como a Lei Maria da Penha, citada por Mané da Carne, é considerada um divisor de águas na abordagem jurídica brasileira na luta contra a violência baseada no gênero. É a principal lei nacional no enfrentamento dessa violência.

O áudio fez com que a conselheira trienal Susy Miranda Sanchez entrasse com uma representação no Conselho Deliberativo do Corinthians.

“Como mulher, sinto-me ofendida e amedrontada, dividindo espaço com esse cidadão que pretende agredir fisicamente alguém do sexo feminino, caso se sinta contrariado”, diz trecho do documento protocolado por Susy nesta terça-feira.

Representação protocolada pela conselheira Analu Tomé nesta terça (Reprodução)

Desdobramentos

Assim como Susy Miranda Sanchez, Analu Tomé também registrou representação no Conselho Deliberativo do Corinthians. O caso deve ser encaminhado para a Comissão de Ética e Disciplina, que é presidida por André Luiz Oliveira, o André Negão.

À Gazeta, Analu contou, na última sexta, que chegou a procurar por André Negão antes de levar o caso à imprensa.

“Eu falei com o André Negão e ele falou ‘olha, infelizmente, não é um grupo oficial do Corinthians, então, a gente não pode fazer nada’”, comentou ela na ocasião.

Porém, mais tarde, depois de grande repercussão, o Corinthians se manifestou oficialmente por meio de nota assinada por Alexandre Husni, presidente do Conselho Deliberativo.

A nota salientou que o Corinthians “tem no respeito à mulher um de seus pilares mais sagrados” e colocou o órgão à disposição de Analu Tomé para “encaminhar procedimentos que se mostrem cabíveis”.

Nas representações entregues nesta terça, tanto Analu Tomé quanto Susy Miranda Sanchez cobram providências exemplares que tenham o intuito de desestimular casos de misoginia e agressão contra mulheres e que cessem condutas como a de Mané da Carne no ambiente do clube.

Leia a transcrição completa do áudio enviado por Mané da Carne a uma pessoa do grupo de Whatsapp composto por membros do Conselho Deliberativo do Corinthians:

“Irmão, bom dia. Eu não tenho nada contra ninguém, nem contra o evento, nem contra as pessoas que iam cantar, nem contra o Cebola, nem contra ninguém. Eu acho que tudo que é promissor ao clube deve se organizar e fazer o melhor. Quanto a essa senhora, ela ofendeu muito a nós, colocando caixão na frente do clube, com bandeira, com palhaçada, ela fez uma palhaçada, e está tudo bem. Eu coloquei uma situação, ‘lava roupa’, mas não pus que era (sic) desmoralizar as mulheres. Mas, ela é esperta e pegou e colocou que alguns conselheiros que têm inimizade comigo, porque querem aparecer e eu sou contra, eu atiro em cima deles, coisa que todo mundo fica quietinho, e já pôs na imprensa… O que ela quer, o objetivo dela, ela já conseguiu: pôr na imprensa, pra blogueiro, pra não sei o quê. Querido, presta atenção, eu te conheço, sou teu amigo, e gosto muito de você, como gosto de milhares no clube, e tem uns que não gostam de mim e, pelo o que eu falo, até dou razão para eles. Mas, esses senhores, ou alguém, precisa… e pegou isso para tentar me denegrir, mas não vai me denegrir, porque eu sou eu, e sou amigo de todos, e se eu puder ajudar a todos, vou. Mas, essa senhorita, achou que colocar… Deixa colocar. Me leva pra Justiça, que eu vou dizer tudo que aconteceu. Desculpa eu não vou pedir nunca pra ela, porque eu não ofendi as mulheres. Querido, eu tenho quatro filhas, uma médica e três dentistas, tenho uma esposa maravilhosa. Eu vou ofender mulher por quê? Eu só coloquei alguma coisa, talvez tenha sido infeliz no que eu coloquei, nesse sentido eu peço desculpas às mulheres, não a ela, às mulheres. A ela, não. Às mulheres. Porque não foi no intuito de querer desprezar ou ser machista. Ela colocou no blog, tem umas pessoas no blog que nem me conhecem e estão me julgando. Isso é honesto, julgar as pessoas sem as conhecer? Teve uns quatro ou cinco repórteres de blog que me ligou (sic). Eu disse a eles: ‘olha, acontece o seguinte, fui infeliz e tal tal, mas não querendo prejudicar, porque tenho, na minha casa, cinco mulheres e as respeito. A minha caçula ficou brava comigo: ‘pai, deixa isso pra lá’. E eu conheço. Se você não conhece a Analu, procura conhecer. Se ela está te ajudando, ajudando o Corinthians, amém, eu agradeço em nome do Corinthians, mas ela faz tudo programado, tanto é que ela levou à imprensa para querer aparecer. Vamos esperar pra ver no que vai dar. Eu acho, espero, que ela deva pegar tudo que for: justiça, o presidente do Conselho, tudo, e vem tentar me derrubar. Mas, eu não ofendi as mulheres. Eu usei alguma coisa, para muitos, infeliz, eu acredito que eu não extrapolei, acredito que eu não devia ter dito, mas não foi ofensa pra ninguém, ‘um tanque de roupa pra ela ficar mais tranquila’, foi nesse termo que eu quis dizer, mas o que ela faz, o que ela fez não tem nada a ver. Se ela foi para o Mário Gobbi, Deus a abençoe, que na época eu falei que não ia pegar terceiro lugar e pegou terceiro lugar (nas eleições). Eu não estou preocupado com ela, com Mário Gobbi, com esses lixos do outro lado, eu não estou preocupado com esses caras, não. Então, eu só peço que ela vá a fundo. Só que ela se encolheu. Ela colocou e se encolheu. Analu, você tem que aprender a ser um ser humano mais perfeito. Desculpe. Você julga os outros com a tua régua, e ninguém deve ser julgado com a tua régua. Fique na paz, senhorita. Não lhe peço desculpa. Peço perdão às mulheres, porque eu não tentei as ofender. E se você procurar as mulheres, vai ver que eu não tentei ofender elas. Agora, puseram uma Lei Maria da Penha que, se puser qualquer coisa, se disser um ‘ó’ pra elas, elas vão (…) ‘ah, machista’, e elas estão me julgando agora. Elas podem tudo e nós não podemos nada. Mas, comigo não tem esse negócio, não. Se uma mulher me ofendeu, vou pra cima dela e dou-lhe murro mesmo. Desculpe pelo o que estou falando, não é desse jeito que o ser humano deve seguir. Cada um no seu quadrado. Ela me respeita e eu a respeito. Ponto, acabou. É por aí. Eu te peço desculpa (se referindo ao amigo a quem o áudio é direcionado), porque tenho muito respeito por você, e muito respeito por todas as famílias. Obrigado, meu irmão. Fica com Deus”.