Futebol

Após desabafo, Diniz elogia diretoria do Santos: “Futebol precisa”

Gazeta
Gazeta Esportiva

11 de julho de 2021 - 10:00 - Atualizado em 11 de julho de 2021 - 10:15

Após criticar a venda de Luan Peres ao Olympique (FRA) há uma semana, o técnico Fernando Diniz elogiou a diretoria do Santos no último domingo, após a derrota para o Palmeiras no Allianz Parque.

O treinador do Peixe afirmou que a situação com o presidente Andres Rueda está resolvida.

“A situação do Luan Peres está equacionada com o presidente. Fui categoricamente contra a saída na parte técnica, mas existe parte diretiva e Santos vive momento administrativo e financeiro delicado. Essa diretoria é responsável e quer fazer diferente. A condução poderia ter sido melhor nas informações, mas posso falar que são pessoas sérias, muito sérias, e querem fazer o melhor para o Santos. Futebol precisa de mais gente como eles”, disse Diniz.

Antes do clássico, Fernando Diniz falou assim:

“Fui totalmente contra, absolutamente contra, o tempo todo contra e sou contra até agora. Temos time que no primeiro semestre lutou ate a última rodada pelo rebaixamento do Paulistão. Era uma coisa clara que a gente precisava se reforçar e não perder jogadores, ainda mais um jogador do tamanho que o Luan Peres tem no Santos hoje. Ele em carisma da torcida, joga bem todos os jogos, tinha uma sintonia fina comigo. Sou totalmente contrário. Penso no clube a minha vida inteira, nunca fui um treinador que chego e quero fazer o clube para mim e fico pedindo um monte de contratação milionária. Quase sempre o contrário disso, mas no caso do Luan eu fui absolutamente contra”.

Venda de Luan Peres

O Santos vê a saída de Luan Peres para Olympique de Marselha (FRA) como o “corte na carne” alertado diversas vezes pelo presidente Andres Rueda.

Em situação financeira difícil, o Peixe aceitou a proposta do Olympique pelo zagueiro e agora está perto de um acordo com a empresa Doyen Sports.

Uma dívida antiga com o fundo de investimentos bloqueia as contas do Alvinegro. Dessa forma, a ideia é repassar os valores do Olympique e por um fim nessa briga judicial.

O acordo não está assinado, mas o Santos deve receber cerca de 4,5 milhões de euros (R$ 28 mi) pelo que tem dos direitos econômicos (70%). A transação ainda inclui bônus por metas alcançadas pelo atleta na França.

O débito com a Doyen era de 5 milhões de euros (31 mi), mas o Peixe recebeu uma multa por não honrar as parcelas na gestão José Carlos Peres e a dívida subiu para 15 milhões de euros (R$ 93 mi). O Alvinegro contestou essa pena na Justiça e o litígio deve ser encerrado por um valor próximo ao inicial.

O Santos pretende dar uma entrada para a Doyen e parcelar o restante dentro do mandato de Rueda, válido até dezembro de 2023. A estratégia é similar ao acerto com o Krasnodar (RUS) por Christian Cueva.

Neste cenário, o Peixe perde um titular absoluto, porém, acaba com o maior problema financeiro do clube. Depois da Doyen, restaria “apenas” o acordo com o Barcelona pelo não cumprimento da prioridade por Gabriel Barbosa. A dívida é de aproximadamente 3 milhões de euros (R$ 18,6 mi).

Luan Peres já se despediu do elenco e não treina mais no CT Rei Pelé. O zagueiro aguarda pelos detalhes finais para ser anunciado pelo Olympique.