Futebol

Abel e Felipe Melo falam sobre ansiedade e parte psicológica para final da Libertadores

Gazeta
Gazeta Esportiva

26 de novembro de 2021 - 21:00 - Atualizado em 26 de novembro de 2021 - 22:30

Faltando menos de 24 horas para o Palmeiras disputar a decisão da Libertadores, o técnico Abel Ferreira e o volante Felipe Melo falaram sobre a ansiedade para a finalíssima. O treinador alviverde declarou que o grupo se preparou bem para a partida e espera que os jogadores tenham “um dia inspirado” e consigam lidar com a tensão durante os 90 minutos.

“Estamos calmos, trabalhamos muito, nos preparamos bem, seguimos o nosso plano e vamos desfrutar desta final com responsabilidade. Vamos procurar amanhã ter um dia inspirado, um dia em que possam estar com a mente e o corpo em equilíbrio e que deixem os corpos deles jogarem. Porque são jogadores muito bons, têm competência e qualidade”, disse em entrevista coletiva nesta sexta.

“Que eles consigam lidar com a tensão e impor o jogo deles. Aconteça o que acontecer, em cada momento do jogo, que deem o seu melhor. É isso que vou pedir aos jogadores, que proporcionem um grande espetáculo e que no final nosso propósito vença, é isso que nós queremos”, completou o treinador.

Já Felipe Melo ressaltou que sentir ansiedade é normal e que é importante o grupo desfrutar desse sentimento antes da final. “Essa ansiedade é normal, enquanto tiverem esse frio na barriga estão no caminho certo. Essa uma sensação muito gostosa, de sentir frio na barriga já pensando e sonhando com a final. Isso me deixa tranquilo, sabedor daquilo que eu quero e do que vou fazer”, afirmou.

“É claro que esse frio vai aumentando quando vai se aproximando, mas é normal. É um frio na barriga muito gostoso. Agora, quando a bola rola, passa tudo. Entra nossa experiência, entra a nossa profissão, porque ganhamos bem para isso. Então é o momento de usufruir desse frio na barriga, porque é um momento muito gostoso”, acrescentou.

O volante também declarou que o jogo envolve muito a parte psicológica dos jogadores e que o Palmeiras tem trabalhado bem esse aspecto para a finalíssima.

“Mexe muito com o psicológico um jogo como esse. Mais do que a história e o estádio, a tensão de você não errar, tem que estar com o psicológico bem em dia. E a gente tem trabalhado, tanto na parte técnica e tática quanto na psicológica também. Porque é um sonho que envolve milhões de torcedores e tenho muita fé de que vai dar certo”, concluiu o jogador.