Culinária e Gastronomia

Na pandemia, paranaense se reinventa vendendo feijoada e churrasco na Inglaterra

Chef Gui mora há 5 anos na Europa e, com a baixa do setor de eventos, agora vende muita feijoada via delivery

Wilame
Wilame Prado / Repórter
Na pandemia, paranaense se reinventa vendendo feijoada e churrasco na Inglaterra
Feijoada, queridinha de brasileiros e ingleses na pandemia. (FOTO: Arquivo pessoal)

29 de abril de 2021 - 09:59 - Atualizado em 29 de abril de 2021 - 09:59

Há cinco anos, o chefe de cozinha Guilherme Bianchi, 27 anos, trocou o município de Santa Fé, na região de Maringá, pela Inglaterra, onde apostou em uma carreira em que alia gastronomia e eventos. Com a pandemia de covid-19 e a paralisação deste setor já há mais de um ano, ele precisou se reinventar e encontrou o caminho em um dos pratos mais tradicionais do Brasil: a feijoada.

No restaurante Menu Brazil, em Swindon, cidade do Sudoeste da Inglaterra, a “feijuca” brasileira caiu no gosto dos britânicos, e, logicamente, é pedida certa dos brasileiros que moram por lá.

Atualmente, os sistemas de delivery e o chamado takeaway (quando o cliente retira no balcão) têm possibilitado a manutenção do serviço gastronômico de muitos restaurantes, mas, assim como no Brasil, o sistema de eventos segue fechado, obrigando muita gente a trabalhar em outros setores.

Chef Gui, que é especializado em cozinha contemporânea e cozinha mediterrânea, afirma que a feijoada continua sendo o carro-chefe do restaurante, mas cita também como grandes queridinhos o famoso churrasco brasileiro e ainda a caipirinha, drink adorado pelos ingleses.

Ele revela que, atualmente, o restaurante está definindo um novo cardápio, o que certamente agradará ainda mais os brasileiros repatriados e também os simpatizantes dos sabores do Brasil.

“Acrescentaremos no cardápio moquecas e camarão no alho, mas a picanha e a feijoada são mesmo campeões de pedidos”, diz ele, que ainda prepara no restaurantes outros pratos que são a nossa cara, como barriguinha pururuca com mandioca ou um tradicionalíssimo arroz, feijão, bife e batata frita.

Futuro retorno

Nascido em Astorga e morando sempre em Santa Fé, foi em Maringá onde o chef Gui finalmente encontrou a sua aptidão profissional, ao estudar em cursos técnicos de gastronomia durante alguns anos, antes de resolver se mudar para a Europa.

Chefe Gui: de Santa Fé, na região de Maringá, para o mundo. (FOTO: Arquivo pessoal)

Casado e muito bem adaptado na Europa, onde também realiza cursos com frequência e pretende fazer uma graduação na área de gastronomia, ele sonha um dia poder voltar para o Brasil.

“Penso em contribuir de alguma forma com essas cidades que estão no meu coração. E quem sabe levar um pouco dos sabores britânicos também para os paranaenses conhecerem”, revela.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.