Bastidores

Zetti retorna ao São Paulo para formar goleiros e evitar nova “Cenidependência”

Gazeta
Gazeta Esportiva

8 de abril de 2021 - 15:19 - Atualizado em 8 de abril de 2021 - 15:45

Zetti foi apresentado nesta quinta-feira como mais um reforço da gestão do presidente Julio Casares. O ídolo são-paulino chega ao clube como coordenador de goleiros, com a missão de usar toda a sua experiência debaixo das traves para formar novos atletas da posição nas categorias de base e promovê-los ao time profissional.

O trabalho de Zetti não será apenas técnico. O ex-goleiro também terá a missão de enraizar uma cultura de jovens goleiros que podem dar conta do recado no profissional. Após a aposentadoria de Rogério Ceni o clube sofreu bastante para encontrar um substituto, e é exatamente esse tipo de situação que terá de ser evitada.

“O São Paulo viveu uma entressafra com a presença do Rogério Ceni, parece que ninguém se preocupou com essa formação na base dos goleiros para tirar o lugar do Rogério Ceni. A preocupação era contratar um goleiro para trazer igualdade ao Rogério Ceni. Nesse período sempre falei que era preciso de três goleiros brigando, um de 30, um de 25 e um de 18. O tempo foi passando, e o Rogério estava na posição dele. Grande profissional, grande goleiro, o maior da história do São Paulo, não há dúvida. Era um cara muito profissional, mas faltou alguém ali no banco de reservas falar: “Opa, vou treinar mais que esse cara, vou buscar esse espaço”, coisa que o Rogério Ceni fez quando eu estava no São Paulo”, afirmou Zetti.

Zetti chega ao São Paulo para “produzir” goleiros para o profissional

O agora coordenador de goleiros relembrou como era a rotina quando concorria com Rogério Ceni pela vaga de titular no São Paulo. Bicampeão mundial e da Libertadores no clube, o consagrado Zetti demorou para dar um espaço ao jovem promissor vindo de Sinop, no Mato Grosso.

“Ele ficou quatro, cinco anos observando como eu treinava e jogava. Amadureceu dentro do São Paulo e encontrou o momento para assumir a posição. Neste período se esqueceram do trabalho na base e que esses meninos da base poderiam chegar e encarar como uma grande oportunidade ser reserva do Rogério, mas ser titular também, de buscar a posição”, prosseguiu.

“Temos que tentar criar na base. Não vou dizer que vou fazer, porque é difícil, mas com o tempo vamos resgatar esse DNA da escola de goleiros do São Paulo. Passa por mim, pelo Rogério e pelo Volpi. Vamos trabalhar para fazer chegar no profissional um grande goleiro”, concluiu.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.