Esportes

Zanetti diz que foi para o “tudo ou nada” na final e evita falar sobre o futuro

Gazeta
Gazeta Esportiva

2 de agosto de 2021 - 05:47 - Atualizado em 2 de agosto de 2021 - 06:00

Nesta segunda-feira, Arthur Zanetti disputou a final das argolas nos Jogos Olímpicos de Tóquio e terminou na última colocação, depois de cometer um erro na saída do aparelho e cair de cara no colchão. Após a apresentação, o ginasta revelou que resolveu arriscar para tentar subir ao pódio, visto que teria poucas chances se repetisse sua rotina.

“A gente já fez o nosso papel, lá em 2012. O que viesse a partir de então era lucro. A gente foi para o tudo ou nada. Se a gente fizesse na rotina, não subiria no pódio. A gente aumentou a nota de partida com a saída, que é muito difícil. Tentamos, arriscamos. Dessa vez não deu certo, mas é trabalhar para o futuro”, disse Zanetti à TV Globo.

“A gente já vinha decidindo o que ia fazer. Provavelmente a gente ia fazer o triplo na final, a saída nova, mas dependia da classificação. Quando saiu, a gente era o primeiro. Então, não tinha o que fazer, era mandar tudo para o alto. Se a gente acertasse, provavelmente a chance de estar no pódio seria grande, mas o esporte é falho também”, completou.

Zanetti evitou projetar o seu futuro, sendo evasivo ao responder sobre as suas perspectivas para o próximo ciclo olímpico.

“Agora eu não penso mais nada, só estou querendo dar uma descansada. Não sei do ano que vem, não sei desse ano. Agora é dar uma relaxada na cabeça, não no corpo. A mente está precisando, Olimpíadas desgastam demais”, finalizou.

Zanetti tem duas medalhas olímpicas em seu currículo. Em 2012, nos Jogos de Londres, o ginasta conquistou o ouro nas argolas. Na edição seguinte, disputada no Rio de Janeiro, o atleta levou a prata.