Esportes

Weverton avisa que não quer a 12 de Marcos, e sim eternizar a camisa 21 do Palmeiras

Gazeta
Gazeta Esportiva

30 de janeiro de 2021 - 19:12 - Atualizado em 30 de janeiro de 2021 - 21:15

Weverton foi campeão Olímpico com a Seleção Brasileira, em 2016, no mesmo palco que o Palmeiras conquistou, neste sábado, a Copa Libertadores da América. O goleiro do Verdão, em meio a comemoração do título, falou sobre a ligação com o Maracanã.

“Só queria um pézinho no Maracanã, naquela calçada ali. Talvez eu ainda não seja digno, tantos craques aqui, mas seria legal, meus dois principais títulos foram aqui no Maracanã. Hoje comecei naquela trave, de novo… O Maracanã vai ficar marcado na minha vida, farei uma tatuagem, vai ficar ao lado do ‘Rio 2016’, não sei explicar como estou feliz”, disse ao SBT, envolvido em uma bandeira do Acre.

“Essa bandeira tenho desde a Olimpíada, coloquei nela o nome das pessoas que amo, minha mãe, que não está mais aqui, sobrinhos, esposa, é algo emocionante pegar minha filha no colo, comemorar com ela, esposa, irmão, isso não tem preço. É agradecer, porque a gente não sabe quando vai chegar de novo. Temos de comemorar, valorizar, porque não é qualquer um que chega aqui”.

Weverton, que antes da Libertadores venceu o Campeonato Brasileiro de 2018 e o Campeonato Paulista de 2020 com a camisa do Palmeiras, avisou que pretender manter a camisa 12 ligada a Marcos. O ídolo alviverde ofereceu o número ao atual arqueiro depois de ‘aposentar’ a camisa.

“Eu disse pro Marcão que ele não ganhou só a Libertadores. É muito justo eternizar a camisa dele, eu estou no início da caminhada. Gostaria muito de deixar a 12 eternizada e, quem sabe, eternizar a 21, seria o melhor cenário para nós dois. Me deixaria muito feliz. Um cara lá do Acre estar aqui hoje, é muito improvável, é Deus. Eu, do Acre, poder eternizar a camisa de um gigante do futebol brasileiro…”

O gol de Breno Lopes também foi tema de comentários de Weverton, que pouco precisou trabalhar durante a final.

“No começo do ano, o Breno estava na segunda divisão, era um dos mais improváveis para estar aqui hoje. Isso, se não for Deus, eu não entendo o que é”, comentou.

“A gente fez o gol no final do jogo, não deu nem tempo de sofrer tanto. Muito feliz. Queria muito o torcedor aqui hoje para comemorar com a gente. Tenho até medo de comemorar, não peguei covid ainda, tem Mundial semana que vem, tenho de tomar cuidado. Deus sabe como eu queria isso, ser reconhecido por um grande título”.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.