Barcelona

Técnico do Barcelona comenta sobre embate entre Messi e Cristiano Ronaldo

De acordo com o técnico Ronald Koeman, a presença dos dois craques em campo deve ser desfrutada

Gazeta
Gazeta Esportiva
Técnico do Barcelona comenta sobre embate entre Messi e Cristiano Ronaldo
Jogadores não se enfrentam desde maio de 2018 (Foto: Reprodução/Getty Images)

7 de dezembro de 2020 - 10:41 - Atualizado em 7 de dezembro de 2020 - 15:36

Em meio a um momento conturbado, o Barcelona recebe a Juventus na terça-feira, pela última rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões. A partida marca o embate entre Messi e Cristiano Ronaldo.

De acordo com o técnico Ronald Koeman, a presença dos dois craques em campo deve ser desfrutada.

“É fantástico que eles tenham mantido este nível por 15 anos, foram os dois melhores do mundo nos últimos anos. Meu reconhecimento a eles, porque suas características são muito diferentes, mas ambos são capazes de fazer gols, hat-tricks, ganhar títulos. Não se trata de dizer qual é o melhor, porque os dois ganharam muitas coisas. Amanhã (terça) se trata de desfrutar com eles”, destacou.

Apesar de reconhecer as qualidades de Cristiano Ronaldo, o treinador nega que a presença do português seja um estímulo a mais à sua equipe.

“Para nós não é um estímulo a mais por apenas um jogador, mas que porque se trata de dois times muito grandes, que lutam pelo primeiro lugar. O importante é lutar pelo primeiro lugar, e Cristiano é ainda um dos melhores e trabalha a cada dia para seguir assim. Temos que ter respeito por ele e devemos tentar ter a bola para que ele não seja um perigo”, explicou.

O duelo com a Juve ocorre logo após o Barcelona ser derrotado para o Cádiz no Campeonato Espanhol. Ao comentar sobre o momento de sua equipe, Koeman não escondeu a insatisfação.

“É para estar descontente. Tem que analisar as derrotas, e é diferente perder como fizemos no sábado e como foi no campo do Atlético. Eu não faço teatro e se estou de mau-humor, digo aos jogadores. Assim disse ontem na reunião antes do treino, porque não podemos aceitar os gols que sofremos nestes jogos’, concluiu.