Surf

Medina é eliminado e Ítalo quebra recordes; veja como foram as oitavas de final em Margaret River

Já foi decretado “day-off” na sexta-feira e a primeira chamada para as quartas de final foi marcada para às 20h15 da sexta-feira no Brasil

Aline
Aline Taveira / Produtora com informações da World Surf League
Medina é eliminado e Ítalo quebra recordes; veja como foram as oitavas de final em Margaret River
Ítalo Ferrei- ra comemorou seus 27 anos com um show de aéreos - Foto: Matt Dunbar/World Surf League via Getty Images

6 de maio de 2021 - 10:26 - Atualizado em 6 de maio de 2021 - 10:26

As oitavas de final do Boost Mobile Margaret River Pro apresentado pela Corona na Austrália nesta quinta-feira (6) foram decisivas para a corrida pelo título mundial. O campeão mundial Italo Ferreira brilhou nas boas ondas de 6-8 pés em Main Break, conseguindo os maiores placares do dia. Italo atingiu 16,57 pontos no duelo verde-amarelo com Caio Ibelli, logo após Gabriel Medina ser derrotado pelo havaiano Seth Moniz

O potiguar vai enfrentar outro surfista da seleção brasileira, Filipe Toledo, na última quarta de final e pode voltar a liderar o ranking, mas só com a vitória nesta quarta etapa do World Surf League Championship Tour. Aniversariante do dia, Ítalo comemorou seus 27 anos em grande estilo. 

“Eu acordei super cedo e muito animado hoje (quinta-feira). Surfei antes do início do evento e fiquei bem feliz pelas ondas que estão rolando”, disse Italo Ferreira, que agradeceu pelos parabéns ao seu aniversário. “Obrigado e eu estou bem contente, empolgado e muito grato também por ter ondas boas hoje, porque isso deixa nosso trabalho mais fácil e mais divertido. Deu para pegar várias ondas e ir trocando as notas. Sinto que estou numa sintonia boa e quase morri ali naquele aéreo (risos). Mas, se rolar o momento certo, posso arriscar outro”.

Enquanto na bateria do Italo entraram várias ondas boas, a de Medina foi fraca e o havaiano Seth Moniz acabou vencendo o líder do ranking com o placar mais baixo do dia, 9,84 a 9,53 pontos. Gabriel demorou 15 minutos para surfar sua primeira onda, que rendeu duas batidas fortes de backside para largar na frente com nota 6,00. O havaiano respondeu com 4,00 e passa a frente com nota 4,67, mas Medina retoma a ponta com 3,53. Há 5 minutos do fim, o havaiano consegue sua maior nota, 5,17, com Gabriel precisando de 3,84. Só que não entraram ondas boas para ele tentar a vitória. 

Duelos brasileiros

Enquanto Ítalo ganhou de Caio Ibelli, Filipe Toledo derrotou o potiguar Jadson André em uma bateria fraca de ondas, mas o paulista conseguiu vencer por 11,83 a 9,47 pontos. Agora, enquanto Ítalo busca a liderança do ranking, Filipinho precisa passar para as semifinais para entrar na lista provisória dos top-5 do ranking que vão disputar o título mundial da temporada no Rip Curl WSL Finals, em setembro nas ondas de Trestles, na Califórnia, onde ele mora. 

“Eu estava diferente hoje, empolgado e nervoso ao mesmo tempo, mas fiquei feliz por ter pego aquela onda no final para vencer”, disse Filipe Toledo, que vem enfrentando vários brasileiros em Margaret River. “É uma pena estar competindo só entre a gente, mas tem brasileiros demais e infelizmente isso acontece. Na primeira fase foi contra o Peterson (Crisanto), depois contra o Miguel (Pupo), agora com o Jadson (André). É triste ter que surfar contra eles, mas a competição é assim. É um esporte individual, então acontece”.

Seu próximo adversário é Italo Ferreira, na bateria que fecha as quartas de final.

Quartas de Final

Com a derrota para Filipe, Jadson André terminou empatado em nono lugar no Boost Mobile Margaret River Pro com o ainda líder do ranking, Gabriel Medina, Caio Ibelli e com Peterson Crisanto, que foi barrado no primeiro confronto do dia. Ele até começou bem a bateria, mas logo o havaiano bicampeão desta etapa em 2017 e 2019, John John Florence, encaixou o seu surfe com longos arcos e laybacks abrindo grandes leques de água, para vencer por 13,50 a 8,97 pontos.

O havaiano vai abrir as quartas de final com o californiano Griffin Colapinto. A segunda bateria deve ser entre o sul-africano Jordy Smith e o australiano Ryan Callinan, que conseguiu a maior nota da quinta-feira, 8,93, numa onda destruída por três batidas verticais muito fortes de backside. Já a terceira vaga para as semifinais será disputada pelas duas surpresas do dia, o havaiano Seth Moniz, que estava em 28.o lugar no ranking e surpreendeu o líder Gabriel Medina, e o sul-africano Matthew McGillivray, que era o trigésimo e derrotou o número 4, Kanoa Igarashi, do Japão.

O Boost Mobile Margaret River Pro apresentado pela Corona está sendo transmitido ao vivo pelo Youtube e APP da World Surf League e pelos canais da ESPN Brasil. Já foi decretado “day-off” na sexta-feira e a primeira chamada para as quartas de final foi marcada para as 7h15 do sábado em Margaret River, 20h15 da sexta-feira no Brasil.

Baterias das quartas de final:

1.a: John John Florence (EUA) x Griffin Colapinto (EUA)

2.a: Jordy Smith (AFR) x Ryan Callinan (AUS)

3.a: Seth Moniz (EUA) x Matthew McGillivray (AFR)

4.a: Italo Ferreira (BRA) x Filipe Toledo (BRA)