Campeonato Paulista

São Paulo e Palmeiras têm o desafio de irem além de anularem um ao outro

Gazeta
Gazeta Esportiva

23 de maio de 2021 - 08:00 - Atualizado em 23 de maio de 2021 - 08:15

Depois de um empate sem gols no primeiro jogo da final do Campeonato Paulista, São Paulo e Palmeiras voltam a se enfrentar neste domingo, às 16h, no Morumbi. Para definir quem fica com o título do estadual, as equipes têm o desafio de irem além da neutralização dos pontos fortes do adversário, algo que não aconteceu no primeiro confronto.

O clássico disputado no Allianz Parque não foi repleto de chances de gol, com as duas equipes tendo grande volume ofensivo. Com pressões bem ajustadas e poucos espaços cedidos, os times impediram o avanço do oponente logo na faixa inicial do campo, forçando um jogo mais direto e físico.

Por um lado, o Palmeiras está mais acostumado a esse cenário. Os comandados de Abel Ferreira se sentem confortáveis em apostar nos lançamentos da defesa em direção ao ataque, já que possuem o mecanismo ideal para a estratégia. Luiz Adriano é um centroavante muito competente no pivô, oferecendo apoio frontal e sendo o principal alvo das bolas longas. Com refino técnico, consegue dominar e servir Rony nas costas dos zagueiros.

Do outro, o São Paulo não demonstra a mesma desenvoltura para esse jogo mais direto. Apesar de ser mais vertical do que era com Fernando Diniz, o Tricolor de Hernán Crespo aposta em uma construção pelo chão, já que Pablo não é um centroavante de imposição física. Assim, forçado a lançar desde a defesa, o time teve pouca fluidez, perdendo a grande maioria das bolas para a retaguarda do rival.

Patrick de Paula e Raphael Veiga ficaram responsáveis por vigiarem Liziero e Luan, respectivamente. Felipe Melo acompanhava os seus companheiros ligeiramente trás, fechando as linhas de passe para Benítez e Gabriel Sara, que buscavam se movimentar para receber de Miranda, o zagueiro do São Paulo que teve maior liberdade para construir.

Adotando encaixes individuais, o Tricolor também dificultou a vida do Palmeiras, pressionando Weverton e os zagueiros desde o primeiro momento, com o volante Luan acompanhando Raphael Veiga por todo o campo, tirando a criatividade do adversário. Os visitantes também utilizaram a falta como um recurso tático. Quando Luiz Adriano conseguia receber e dominar o lançamento, o zagueiro responsável pela marcação logo impedia o avanço com uma infração.

Para a partida deste domingo, o São Paulo não contará com Daniel Alves e Benítez, lesionados. O Tricolor perde na construção pela direita e no jogo apoiado sem o camisa 10, mas tende a ganhar velocidade e profundidade com Igor Vinicius. No primeiro jogo, a equipe teve dificuldade para atacar os espaços. Sem o meia argentino, o time não conta com o seu jogador mais criativo, que encontra raros passes para os atacantes. No entanto, pode ser mais dinâmico e intenso com Gabriel Sara na função, alternando com Luciano.

O maior desafio do São Paulo será encontrar espaços pelo lado do campo, por onde cria a maioria de suas jogadas na atual temporada. Como o Palmeiras se defende com uma linha de cinco, há poucas brechas para os alas explorarem o corredor. Apesar disso, o Verdão não tem a mesma eficiência na proteção à frente da área, visto que Felipe Melo fica sobrecarregado em alguns momentos. Jogadores do Tricolor com bom poder de finalização podem aproveitar esse detalhe.

Pelo lado do Palmeiras, a tendência é que Abel Ferreira repita a escalação e não abra mão de sua estratégia de recuperar a bola em zonas intermediárias e apostar em transições rápidas, com Luiz Adriano sendo peça chave na recepção dos lançamentos, enquanto Rony corre por trás dos zagueiros e é o responsável pela profundidade. Como o rival atua com uma linha de defesa alta, o camisa 7 tende a encontrar espaços com os seus arranques.

Para que seja efetivo, o Palmeiras precisará de uma maior participação de Patrick de Paula e, especialmente, de Raphael Veiga, que teve dificuldade para se desvencilhar de Luan no primeiro jogo. Quando Luiz Adriano recebe o lançamento, o ideal é que um dos meio-campistas se apresente logo atrás como opção, podendo rapidamente acionar Rony por trás dos defensores do adversário.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.