Esportes

Rollo tem “papo reto” com elenco do Santos e diz: “Estão abandonados”

Gazeta
Gazeta Esportiva

29 de setembro de 2020 - 18:01 - Atualizado em 29 de setembro de 2020 - 18:15

No primeiro dia como presidente interino do Santos, Orlando Rollo teve “papo” reto com comissão técnica e elenco no CT Rei Pelé nesta terça-feira.

Rollo sentiu os atletas “abandonados” durante a conversa.

“Precisam receber em dia o quanto antes. Vocês não acreditam… Há um caso de atraso de meses, meses e meses, mas temos que falar em solução. Jogadores estão cientes das dificuldades. Falei que estão cansados de ouvir conversa e que vão ouvir ações. Conversa foi fundamental. Jogadores sabem da dificuldade e vamos resolver”, disse Rollo.

“Para Marinho se referir ao técnico (Cuca) como presidente… Sinal claro de que estão abandonados. Jogador se sente seguro com dirigente junto, trabalha em conjunto e dá respaldo. Gera uma certa revolta, mas sempre foram profissionais mesmo em condições adversas. São dignos de aplausos. Vinda do professor Cuca trouxe grande ânimo. Elenco se sente protegido e amparado pelo professor. Está mais do que prestigiado e vamos precisar muito da liderança dele. Questões políticas não podem chegar no futebol”, completou.

Orlando Rollo teve papo informal com lideranças do elenco, como Marinho e Pará, depois falou com todos no auditório.

“Fiz dois tipos de reunião, individual e oficial. Jogador está cansado de conversinha e promessa vazia. Não adianta falar blá blá blá e não cumprir. Tenho que ganhar confiança de vocês. A maioria do elenco me conhecia, meu caráter e conduta. Inclusive, viajo com jogadores, tento me aproximar e manter relação. Não viajei hoje para o Paraguai porque prioridade é resolver principalmente a dívida com o Hamburgo. É o chamado papo reto, sem mentira e sem rodeios. Falar a verdade inspira confiança”, afirmou.

“Tratei como trato com os profissionais do clube. Peço para que tenham lealdade, não a mim ou Peres, mas com o Santos. São todos funcionários. Ninguém precisa vir à imprensa defender Orlando Rollo. Tem que defender o Santos. Quero deixar bem claro que, neste primeiro momento, não haverá demissão alguma. No futuro, pode haver? Lógico que pode. Mas temos que ser gestores, avaliar desempenho de forma profissional de cada membro. Vamos acabar com esse boato de demissão em massa. Não tem terrorismo. Todos serão prestigiados e avaliados individualmente. Se avaliarmos com Comitê de Gestão e Comitê de Transição que alguns funcionários não estão rendendo, a gente vai realocar ou vai demitir. Mas não agora. Agora todos os funcionários podem ficar tranquilos”, concluiu.

O Santos viajou na tarde desta terça-feira para enfrentar o Olimpia, quinta, às 19h (de Brasília), no Paraguai, pela quinta rodada daf fase de grupos da Libertadores da América.