Esportes

Rojas volta a jogar oficialmente após mais de 2 anos e é aprovado por comissão técnica

Gazeta
Gazeta Esportiva

23 de fevereiro de 2021 - 07:00 - Atualizado em 23 de fevereiro de 2021 - 07:15

Joao Rojas voltou a disputar uma partida oficial após dois anos e quatro meses nesta segunda-feira, contra o Botafogo, no Engenhão. Recuperado de duas sérias lesões no joelho, com direito a duas cirurgias, o atacante equatoriano recebeu uma oportunidade do técnico interino Marcos Vizolli e mostrou certa desenvoltura para quem não entrava em campo havia tanto tempo.

Rojas, que já chegou a ser titular absoluto do São Paulo em 2018, sob o comando do técnico Diego Aguirre, chegando a brigar pelo título do Brasileirão daquele ano, passou os últimos dois anos assistindo seus companheiros de longe. Desde que passou a se limitar aos trabalhos no Reffis, o camisa 22 viu André Jardine, Cuca e Fernando Diniz tentarem tirar o Tricolor da longa fila de conquistas, mas sem sucesso.

“O Rojas pertence ao São Paulo, tem contrato com o São Paulo. Infelizmente, não conseguimos utilizá-lo antes porque a transição para o campo demorou um pouco, o atleta estava sem jogar havia dois anos. Hoje ele entrou, tentou, batalhou, está de volta. Devagarzinho vai conseguir conquistar o espaço dele”, comentou o técnico interino do São Paulo, Marcos Vizolli.

O último jogo oficial de Joao Rojas havia sido o triunfo sobre o Vitória, por 1 a 0, no Barradão, onde deixou o gramado de maca por causa da primeira séria lesão que sofreu com a camisa do São Paulo.

Rojas inicialmente tinha contrato com o Tricolor somente até o fim do ano passado, mas aceitou a proposta de renovação até o fim do Brasileiro, que invadiu 2021. O atual vínculo do equatoriano expira ao fim de fevereiro, mas ele já tem um acordo encaminhado para estendê-lo até o final do Campeonato Paulista.

A ideia da diretoria é que tanto Rojas quanto Gonzalo Carneiro tenham mais tempo de mostrar seu futebol para Hernán Crespo e sua comissão técnica, que sequer começaram a trabalhar no CT da Barra Funda. Com pouco dinheiro disponível para investir em reforços, o São Paulo não pode se dar ao luxo de desperdiçar atletas, e justamente por isso optou por dar mais uma chance a alguns jogadores que não gozavam de tanto prestígio na “Era Diniz”.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.