Esportes

Presidente do Santos explica insucesso no empréstimo de Copete ao Ceará

De acordo com Rollo, não houve tempo hábil para aprovação do Conselho Deliberativo

Gazeta
Gazeta Esportiva
Presidente do Santos explica insucesso no empréstimo de Copete ao Ceará
Atacante ficou muito próximo de defender o Ceará (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

20 de novembro de 2020 - 13:30 - Atualizado em 20 de novembro de 2020 - 23:45

Presidente em exercício do Santos, Orlando Rollo explicou o insucesso na negociação pelo empréstimo de Jonathan Copete ao Ceará até o fim do Campeonato Brasileiro, em fevereiro.

De acordo com Rollo, não houve tempo hábil para aprovação do Conselho Deliberativo. O Vozão topava pagar 100% dos salários do atacante colombiano. Fato semelhante ocorreu com o Cruzeiro na Série B, outro clube interessado.

“Como proposta do Ceará chegou agora, não temos tempo hábil para aprovação do Conselho Deliberativo, mesmo com a ajuda do presidente Marcelo Teixeira, nosso adversário político de anos e que agora coloca a política de lado. Ele quer o bem do Santos. Marcelo tem ajudado, ele pauta no prazo mínimo do estatuto. Mas prazo mínimo excederia semana que vem. Não vou descumprir estatuto. Infelizmente, essa transferência boa para o atleta não se concretizou pelas travas burocráticas do estatuto”, disse Orlando Rollo, em entrevista coletiva.

Copete tem contrato até 18 de junho de 2021 e não pode ser utilizado. O Santos está proibido de inscrever jogadores em função da dívida de cerca de R$ 5 milhões com o Atlético Nacional, da Colômbia, por Felipe Aguilar, hoje no Athletico.

O Santos regularizou Laércio e Robinho em outubro, mas não teve tempo de registrar o contrato de Jonathan Copete por ser uma manobra internacional e requerer mais tempo. O fim de um transfer ban até o início de outro durou apenas quatro dias.

Dessa forma, Copete treina no CT Rei Pelé sem poder atuar. E o Peixe, em situação financeira difícil, não tem prazo para fazer acordo com o Atlético Nacional.

Copete foi emprestado para Pachuca, do México, e depois para o Everton, do Chile, entre 2019 e 2020. Ele tem 26 gols em 136 partidas pelo Santos e é o maior artilheiro estrangeiro da história do clube.

Vale lembrar que a aprovação do Conselho Deliberativo é necessária por causa do período eleitoral no Peixe. O Estatuto Social prevê anuência dos conselheiros para compras, vendas ou empréstimos. O pleito está marcado para o dia 12 de dezembro. O presidente em exercício Orlando Rollo não é candidato.

Fernando Silva, Milton Teixeira Filho e Ricardo Agostinho registraram chapas. Andrés Rueda, Daniel Curi, Esmeraldo Tarquínio e Rodrigo Marino ainda são pré-candidatos. Marcelo Teixeira pode ser mais um postulante.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.