Esportes

Presidente do Santos confirma negociação e comenta sobre “salário simbólico” para Robinho

Gazeta
Gazeta Esportiva

9 de outubro de 2020 - 21:29 - Atualizado em 9 de outubro de 2020 - 21:45

O presidente do Santos, Orlando Rollo, emitiu uma nota oficial sobre a negociação por Robinho. O atacante aceita um “salário simbólico” até o fim do ano para voltar ao Peixe.

“Mesmo sabendo da impossibilidade legal de contratar um profissional por 10 reais e deixando claro o respeito que temos pelo nosso ídolo Robinho, estarei aguardando a representante do atleta, a partir do meio dia, deste sábado, dia 10 de outubro, no CT Rei Pelé, para assinarmos um contrato nessas condições. Reitero a necessidade de assinar este contrato o mais rápido possível, pois o Santos, infelizmente, deve sofrer nova sanção para inscrever jogadores e temos pouco tempo”, disse Rollo.

Procurada pela Gazeta Esportiva, Marisa Alija, advogada de Robinho, disse que não foi convidada para a reunião neste sábado e que a proposta foi feita ao Santos no início da tarde. O prazo normal, sem contar um “plantão” da CBF, termina às 22h desta sexta-feira.

Robinho pode voltar ao Santos

Robinho, por meio da advogada, sugeriu um salário simbólico de R$ 10 até o fim do ano. O pagamento de R$ 10 seria feito em outubro, novembro e dezembro. Em janeiro e fevereiro, o Peixe pagaria 60% do “salário real”. E a totalidade viria em março.

Depois dessa ajuda ao Alvinegro durante momento de reconstrução financeira, Robinho ganharia cerca de R$ 500 mil por mês. E o contrato terminaria no fim de 2022.

Esse salário a partir de março divide opiniões dentro do clube. Para uns, é justo após esse pagamento simbólico e pode ser revertido ao clube em imagem perante ao torcedor. Para outros, é alto e poderia comprometer a próxima gestão.

Para contratar Robinho, além de ajustar esse acordo complexo, o Alvinegro precisaria superar dois fatores:

  • Aprovação da Comissão Fiscal e Conselho Deliberativo: como o Santos vive período eleitoral, os órgãos precisam dar o “ok”;
  • Prazo para regularização: o Santos será punido novamente por dívidas com Atlético Nacional, da Colômbia, e Huachipato, do Chile, na terça-feira. Livre depois do acordo com o Hamburgo, o Peixe tem até segunda para regularizar novos jogadores. A CBF fará “plantão” no fim de semana e feriado, mas o trâmite é complexo e leva tempo.

Robinho está livre no mercado após não renovar com o Basaksehir, da Turquia. Ele tem 36 anos e viria para a quarta passagem no Santos.