Esportes

Presidente do Napoli defende criação de Superliga Europeia democrática: “O sistema não funciona mais”

No entanto, o mandatário do Napoli e os criadores da Superliga têm uma visão em comum: a de que o futebol europeu atual é insustentável e, assim, há a necessidade de uma reforma

Gazeta
Gazeta Esportiva
Presidente do Napoli defende criação de Superliga Europeia democrática: “O sistema não funciona mais”

15 de setembro de 2021 - 12:06 - Atualizado em 15 de setembro de 2021 - 13:31

O presidente do Napoli, Aurelio De Laurentiis, concedeu entrevista ao Dailymail. Propondo uma Superliga Europeia com viés democrático, ele revelou um plano para reformular o futebol europeu e melhorar a vida financeira dos clubes. De acordo com o mandatário, o cenário atual não é mais viável para as equipes.

“O sistema não funciona mais. A Champions e a Europa League não geram renda suficiente para que os clubes justifiquem participar delas. Para ser competitivo, você precisa de jogadores top de linha. Isso significa que precisa gastar dinheiro – e a premiação das competições europeias não é o suficiente”, declarou.

“Precisamos diminuir o número de jogos a partir da redução do tamanho das primeiras divisões da Europa. Também temos que criar uma liga europeia com um sistema democrático de acesso, baseado no que os times alcançaram nas competições nacionais. Eu estudei um projeto para trazer 10 bilhões de euros (R$ 62,1 bilhões) para o futebol europeu, mas precisamos de disposição e total independência”, acrescentou.

Os 12 clubes criadores da Superliga Europeia. Atualmente, apenas Barcelona, Real Madrid e Juventus continuam apoiando a ideia original. (Foto: Reprodução)

O “sistema democrático” citado por De Laurentiis vai de encontro com a proposta inicial dos 12 clubes que anunciaram a criação da Superliga Europeia em abril deste ano. A competição, que foi cancelada alguns dias depois após críticas de diversas partes, contaria com a participação de quase todas as equipes de forma fixa. Assim, não levaria em conta, exatamente, o desempenho de time emergentes nas ligas nacionais, por exemplo.

No entanto, o mandatário do Napoli e os criadores da Superliga têm uma visão em comum: a de que o futebol europeu atual é insustentável e, assim, há a necessidade de uma reforma. Além disso, ambas partes entendem que há baixo interesse dos jovens no esporte – algo que também justificaria a reformulação proposta.

“Se não mudarmos as regras do jogo e fazê-lo um espetáculo melhor, os jovens irão nos abandonar e o futebol não será mais a parte central de nossas vidas. Minha pesquisa diz que pessoas entre oito e 25 anos pararam de assistir ao futebol e preferem utilizar seus smartphones”, pontuou Aurelio De Laurentiis.

Ele concluiu: “Não estou dizendo que o hábito de assistir ao futebol ao vivo no estádio irá morrer, mas agora temos o ‘estádio virtual’, que pode atrair bilhões de pessoas para jogarem umas contra as outras. Quem sabe se nós conseguiremos trazê-las de volta rumo ao esporte mais grandioso e influente do mundo?”

Com 100% de aproveitamento após três rodadas, o Napoli vem de triunfo contra a Juventus e ocupa a 3ª posição do Campeonato Italiano. A equipe comandada por Luciano Spalletti volta a campo na próxima segunda-feira, às 15h45 (de Brasília), quando enfrenta a Udinese fora de casa.