Esportes

Presidente do Atlético Nacional diz que “falta tudo” para acordo com o Santos

Gazeta
Gazeta Esportiva

22 de dezembro de 2020 - 08:00 - Atualizado em 22 de dezembro de 2020 - 19:30

Há 10 dias, o presidente interino Orlando Rollo anunciou “acordo alinhado” com o Atlético Nacional pela dívida do Santos com Felipe Aguilar, ex-Atlético Nacional (COL) e atualmente no Athletico-PR.

E a história não é bem assim. Em entrevista à Gazeta Esportiva, Juan David Pérez, presidente do clube colombiano, adotou discurso bem diferente, apesar de elogiar Rollo.

“Falta tudo: vontade, acordo, pagamento. Atlético Nacional não assinou acordo e nem recebeu qualquer pagamento. Orlando Rollo conversou comigo, diferentemente do anterior (José Carlos Peres). É um grande senhor, deu a cara, mas até agora não há avanços reais”, explicou Pérez.

O imbróglio deve ficar para o novo presidente, Andrés Rueda, resolver a partir de janeiro de 2021. A dívida é de cerca de R$ 4 milhões por parcelas atrasadas na negociação de janeiro de 2019. Esse calote gerou punição na Fifa e impede o Peixe de registrar novos jogadores.

Vale lembrar que Rollo também anunciou acordo com o Huachipato, do Chile, por Yeferson Soteldo. Após a aprovação do Conselho Deliberativo, a negociação não foi concluída. Os débitos com Atlético Nacional e Huachipato mantém o Santos sob bloqueio na Fifa.

No início do mês, Orlando Rollo afirmou que o Santos concluiria o acordo com o Huachipato nos “próximos dias”. A transação foi aprovada no Conselho há dois meses.

O Peixe “devolveria” 50% dos direitos econômicos ao Huachipato. O Alvinegro do ex-presidente José Carlos Peres combinou de pagar 3,55 milhões de dólares (R$ 20 milhões) em 2019 e não transferiu um real sequer. Soteldo ficaria na Vila Belmiro até os chilenos negociarem o meia-atacante.

Com o “sim” santista, o Huachipato retiraria da Fifa uma cobrança de 7,2 milhões de dólares (R$ 40 mi) diante do calote do clube brasileiro. A equipe ainda pagaria 200 mil dólares (R$ 1,1 milhão) diretamente ao camisa 10 para quitar dívidas em luvas, premiação e direitos de imagem.

Por fim, o Santos ficaria com 10% do valor que exceder uma venda de Soteldo pelo Huachipato por no mínimo 8 milhões de dólares (R$ 45 mi). Essas condições foram aprovadas pelos conselheiros são base do acerto atual com os chilenos.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.