Esportes

Portela evita culpar arbitragem por derrota no judô: “Tinha que ter sido mais agressiva”

Gazeta
Gazeta Esportiva

28 de julho de 2021 - 01:48 - Atualizado em 28 de julho de 2021 - 03:00

Na noite desta terça-feira, Maria Portela foi derrotada pela russa Madina Taimazova, caindo na segunda fase do judô na categoria de até 70kg nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A luta foi bastante polêmica, com a brasileira sendo eliminada por acumular três punições por falta de combatividade.

Antes disso, Portela havia aplicado um golpe, porém a arbitragem de vídeo não entendeu que o movimento poderia ser enquadrado como wasari. Apesar da tristeza, a brasileira evitou responsabilizar o árbitro pela derrota.

“Se a gente não define, ele (árbitro) tem que definir. E quem tiver um pouco mais de iniciativa, vai levar. Não foi culpa dele. Eu tinha que ter sido mais agressiva, imposto mais o ritmo, por mais que não fosse efetiva, que foi o que ela fez e acabou levando”, disse a judoca.

A luta teve duração de mais de 14 minutos, e Portela reconheceu o desgaste na reta final e admitiu que estava mais conservadora do que sua adversária.

“As duas estavam cansadas ali e seria um detalhe. Como a luta estava muito longa, ela teve um pouco mais de iniciativa no final e eu acabei tomando a punição. Eu estava percebendo que ela estava um pouco mais desgastada, mas estava colocando golpe na minha frente, mesmo sem efetividade”, afirmou Portela.

“Quase joguei ela duas vezes, mas isso não foi suficiente. Em Olimpíada, não tem adversária fraca. Fizemos a final em Tbilisi e eu acabei levando por três punições”, finalizou.