Bastidores

Parreira diz que Seleção não precisa de Jorge Jesus e dá voto de confiança a Tite

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

30 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 30 de abril de 2020 - 00:00

Ex-comandante da Seleção Brasileira, Carlos Alberto Parreira destacou nesta quinta-feira que ainda não é o momento de uma troca no comando técnico do Brasil. Apesar do mau resultado na Copa do Mundo de 2018, ele afirmou que ainda acredita no potencial de Tite.

“Se eu fosse o presidente da CBF, eu manteria o Tite. Eu nunca vi um treinador chegar tão prestigiado na Seleção Brasileira como ele chegou. Era unanimidade. Mas você sabe que o resultado, aqui no Brasil, fala muito alto. Não ter vencido a Copa da Rússia, foi eliminado pela Bélgica… No segundo tempo tivemos chances de mudar o jogo, mas fica o resultado. Fomos eliminados nas quartas mais uma vez. Eu acho que a gente ainda tem que acreditar no trabalho dele. Eu daria um crédito, não pensaria em mudar”, disse ao programa Jogo Aberto.

Parreira dirigiu o Brasil nas copas de 94 e 2006

Um dos nomes mais especulados para o cargo era o de Jorge Jesus, que se destacou no seu primeiro ano no Brasil ao vencer o Campeonato Brasileiro e a Libertadores com o Flamengo. Entretanto, para o tetracampeão, ainda não é a hora da Seleção ser assumida por um estrangeiro, algo que jamais aconteceu na história.

“Eu acho que não falta qualidade, só que a gente não precisa que ele treine a Seleção Brasileira. Qualidade é sempre bem-vinda, ele fez um trabalho maravilhoso no Flamengo. Acho que a Seleção está muito bem com o Tite. Isso nunca passou pela minha cabeça, ter um técnico estrangeiro dirigindo a Seleção Brasileira. Um dia, talvez, ocorra, mas não acho que agora é o momento”, completou Parreira.