Esportes

Negociações avançam, e Santos confia em “força máxima” contra o Boca Juniors

Gazeta
Gazeta Esportiva

29 de dezembro de 2020 - 08:00 - Atualizado em 29 de dezembro de 2020 - 16:45

O Santos confia em “força máxima” para enfrentar o Boca Juniors (ARG) nas semifinais da Libertadores da América, nos dias 6 e 13 de janeiro.

As negociações por Lucas Veríssimo e Luan Peres avançaram nos últimos dias. E Pará, Madson e Jobson estão melhores fisicamente.

O Peixe deve vender Veríssimo ao Benfica (POR) por 6,5 milhões de euros (R$ 41,6 mi). A oferta inicial foi de parcelamento em cinco anos. Outras duas propostas mais recentes aumentaram a “entrada”. Rueda discorda e quer boa parte da quantia à vista, sem antecipação por meio de instituições financeiras.

“Só gosto de falar sobre venda depois que tudo estiver assinado. Não comento sobre valores, ainda mais num assunto divulgado há muito tempo. Posso garantir que o Veríssimo permanece no Santos até a final da Libertadores”, disse Rueda, em entrevista recente à Rádio Bandeirantes.

Gazeta Esportiva conversou com o estafe do zagueiro e ouviu que o Benfica (POR) aceita sacramentar a compra e deixar o atleta no Brasil em janeiro. E algo semelhante pode ocorrer com Luan Peres.

O Santos avançou na negociação com o Brugge (BEL) O empréstimo termina no dia 31 de dezembro, próxima quinta-feira. E essa terça é o “Dia D” para o Peixe. O prazo é curto para concluir a negociação, trocar documentos e registrar a extensão do atual contrato no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF antes de quinta.

O Alvinegro busca um vínculo longo, mas prioriza a presença do zagueiro nas semifinais da Libertadores da América contra o Boca Juniors e está otimista por isso. A ideia é prorrogar o empréstimo e ganhar tempo para seguir com as tratativas. O Santos topa até pagar para ter o atleta pelo menos na decisão.

O valor de compra fixado é de 5 milhões de euros (R$ 31,3 mi), mas o Brugge aceita receber menos para a venda – cerca de 3 milhões de euros (R$ 19 mi). A quantia ainda é alta, porém, faz o Peixe cogitar a aquisição. Há duas opções: parcelar os quase R$ 20 milhões ou adquirir parte dos direitos econômicos e diminuir ainda mais o montante. O Brugge, até agora, bate o pé por pagamento à vista.

Pará e Madson (problemas musculares na coxa) treinam em campo e devem trabalhar normalmente com bola nos próximos dias. Jobson (inflamação no tendão caucâneo) deve ir para o gramado nos próximos dias. O departamento médico tem apenas Carlos Sánchez (recuperação de cirurgia no joelho) e Raniel (trombose). Fernando Pileggi, terceira opção para a lateral direita, está com covid-19.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.