Bastidores

Na Venezuela, futebol suportou crise política e seguiu em frente

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Na Venezuela, futebol suportou crise política e seguiu em frente

25 de dezembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 25 de dezembro de 2019 - 00:00

Caracas foi o campeão da confusa temporada venezuelana – Futebol: Yuri CORTEZ / AFP

Desde que em 2014 a crise política explodiu na Venezuela, com violentas manifestações contra o presidente Nicolás Maduro, se temeu que a violência tomasse conta das arquibancadas devido à falta de segurança.

Os recorrentes apagões elétricos, que começaram em março daquele ano, afetando várias cidades venezuelanas, restringiram os jogos que se disputavam à noite e obrigou os clubes a programar os jogos de dia, em pleno sol.

Contudo, diferentemente do que aconteceu no Chile e na Bolívia, o torneio nacional venezuelano não parou e suas equipes continuaram participando normalmente dos torneios internacionais.

Curiosamente, o melhor resultado da história do futebol venezuelano aconteceu em 2017, em plena crise, quando a seleção sub-20 do país disputou a final da Copa do Mundo da categoria contra a Inglaterra.

Na Colômbia, o toque de recolher decretado em final de novembro pelo governo do presidente Iván Duque, que também enfrenta grandes manifestações sociais, obrigou o adiamento do duelo entre Santa Fe e Deportivo Cali pelo Campeonato Colombiano, que não foi suspenso.

A Colômbia sediará em conjunto com a Argentina a Copa América-2020.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.