Renata
Renata Nicolli Nasrala / Editora

15 de julho de 2019 - 00:00

Atualizado em 15 de julho de 2019 - 00:00

Esportes

Mundial Paralímpico de Halterofilismo: brasileira luta por medalha

Em 2018, Mariana foi eleita melhor halterofilista do Brasil, ganhando o Prêmio Paralímpicos

Mundial Paralímpico de Halterofilismo: brasileira luta por medalha

No Mundial Paralímpico de Halterofilismo, a brasileira Mariana D’Andrea está entre as quatro melhores atletas da categoria até 67 quilos (kg) do mundo.

A paulista, de 21 anos, compete nesta terça-feira (16), a partir das 6h30 (horário de Brasília), por uma medalha no Mundial Paralímpico de Halterofilismo, que está sendo realizado na cidade de Nur-Sultan, capital do Cazaquistão.

Mundial Paralímpico de Halterofilismo: competidora está entre as quatro melhores no ranking mundial

Em abril deste ano, durante uma competição em Curitiba, Mariana levantou 119 kg, resultado que a posicionou entre as quatro melhores do ranking mundial. À frente dela estão a chinesa Yujiao Tan (140 kg), a egípcia Fatma Omar (135 kg) e a nigeriana Olaitan Ibrahim (125 kg). Todas presentes neste mundial.

De acordo com Mariana, ela espera fazer uma ótima participação no Mundial Paralímpico de Halterofilismo. “Espero me colocar entre as melhores do mundo e melhorar a minha marca pessoal”, disse ela, que tem nanismo.

Em 2018, Mariana foi eleita melhor halterofilista do Brasil, ganhando o Prêmio Paralímpicos.

Categoria masculina no Congress Center

Além de Mariana, outro brasileiro compete nesta terça-feira no Congress Center. O paraibano Ailton Andrade, da categoria até 80 kg masculina.

Ailton destacou-se no Regional das Américas de 2018, na Colômbia, conquistando a medalha de prata. O atleta de 34 anos tem uma limitação em sua perna esquerda decorrente de paralisia infantil.

Além disso, neste domingo (14), Bruno Carra quase conquista um lugar no pódio. O paulista da cidade de Salto ficou com a quinta colocação na categoria masculina até 59 kg, conseguindo o melhor resultado brasileiro do dia na classe adulta.

O halterofilista garantiu a quinta colocação ao erguer 175 kg em sua segunda tentativa. Na derradeira chance, ele elevou o peso para 184 kg, que lhe renderiam a medalha de bronze, mas não conseguiu a classificação.

A princípio, até o momento o Brasil ganhou três medalhas. Todas na classe Júnior. Lucas Manoel (ouro até 49 kg), Marcos Terentino (ouro até 54 kg) e Vinicius Freitas (prata até 80 kg) já subiram ao pódio.

O Mundial no Cazaquistão vai até 20 de julho e conta com 11 brasileiros entre os 488 atletas de 76 países.