Esportes

Marcelo Medeiros avalia sua gestão no Inter e destaca: “Vou cuidar da saúde”

Gazeta
Gazeta Esportiva

31 de dezembro de 2020 - 09:20 - Atualizado em 31 de dezembro de 2020 - 10:30

No fim de sua gestão como presidente do Internacional, Marcelo Medeiros fez um balanço de seu trabalho nos últimos quatro anos. Em entrevista à GZH, o dirigente relembrou diversos momentos de seu mandato e afirmou que agora o seu foco será cuidar da saúde.

Perguntado se seu sentimento é de missão cumprida, Marcelo relembrou que assumiu a presidência do Colorado com a equipe na Série B do Campeonato Brasileiro. Dadas as circunstâncias, ele aponta que o saldo da gestão é positivo, apesar de não ter conquistado títulos.

“Missão cumprida, sim. Peguei um clube que começou na Série B e entrego, ao lado de meus pares, um time no G-4, ainda brigando no Brasileirão”, afirmou.

Ao longo de sua gestão, Marcelo enfrentou diversos momentos conturbados. Um deles foi a saída do técnico Eduardo Coudet, que ocorreu neste ano e gerou grande repercussão na torcida. O mandatário explicou o que ocorreu entre o clube e o treinador argentino.

“Naquele último dia, muita gente achava que a entrevista estava demorando porque tinha jogo do Grêmio. Mas não foi isso. Eu estava conversando com os atletas, lamentando que tínhamos cedido mais um empate levando gols da mesma forma, o Alexandre Chaves Barcellos foi atender a imprensa, e o Rodrigo Caetano me chama. Disse que o Coudet falou que não tinha mais cabeça para treinar o Inter. Pô, mas e o jogo com o América-MG? Daí saí, admito. Fiquei vendo de longe o Rodrigo e o Alexandre tentando convencer um cara, com contrato vigente, a treinar o Inter”, relembrou.

“Já ouvi muitas teorias, até de que a família dele não tinha se adaptado a Porto Alegre. Ele veio para cá de carro, instalou-se em uma casa na Zona Sul. Sinceramente, acho que ele viu no Celta (de Vigo, na Espanha) uma oportunidade de ir para a Europa, em um clube com menos pressão do que o Inter. As coisas são mais simples”, completou.

A pressão de estar à frente do Internacional prejudicou a saúde de Medeiros, que agora tentará parar de tomar remédios para conseguir dormir.

“Nunca mais dormi sem remédio. Sempre fui insone, mas piorou muito. Em 2017, no nosso primeiro jogo-treino, levamos um rodião do Tubarão. O doutor Caputo me olhou e achou pálido. Medimos a pressão: estava 19 por 16. Hoje tomo remédio para a pressão. Tenho refluxo. De agora em diante, espero parar de tomar remédio para dormir. Vou cuidar da saúde”, concluiu.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.