Esportes

Mano Menezes e Galiotte criticam o VAR e falam que o Flamengo é beneficiado

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

29 de setembro de 2019 - 00:00 - Atualizado em 29 de setembro de 2019 - 00:00

O presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, e o técnico Mano Menezes fizeram duras críticas à utilização do VAR no Campeonato Brasileiro. As reclamações vieram após gol de Bruno Henrique anulado no empate entre a equipe paulista e o Internacional por 1 a 1, neste domingo, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. Além da falta de critérios, ambos disseram que as decisões estão sendo tomadas para beneficiar o líder Flamengo.

“Em muitos lances, é só vocês fazerem um levantamento, o VAR não tem atuado em jogos do Flamengo, isso é fato. Ontem (sábado) foi um exemplo. Tem o jogo do Internacional também no Maracanã. A gente vem a público pedir uma arbitragem que apite igual para todos”, afirmou Galiotte. “Até vou citar o lance aqui porque, enfim… É uma situação desconfortável demais para o futebol. O Felipe Melo toma cartão em absolutamente todas as jogadas. Ontem, o Gabriel pisou (lance com Daniel Alves) e o VAR não atuou”, completou.

O cartola reforçou que não está pedindo para ser beneficiado e sim que o mesmo critério seja aplicado para todos. “Há jogadas pontuais que para uns são de uma maneira e para outros está sendo diferente. O que venho pedir é que seja igual para todos. Senão o campeonato começa a perder a graça”.

Mano Menezes também citou o lance envolvendo Gabriel para reforçar os seus questionamentos contra a arbitragem de vídeo e afirmou que “o VAR não pode ter camisa”. “Nós assistimos todos os jogos, uma hora é uma coisa e outra hora outra. Ontem (sábado) vimos lance de cartão vermelho que o VAR não chamou. Todos chegamos na conclusão que era lance de cartão vermelho”, explicou. “O VAR não pode ter camisa, o VAR não pode ter pressão, o VAR não pode ter estádio. Tem que ter uma linha de conduta para que todos saibamos que tem que se comportar. Sabemos que não foi o caso dessa semana, ficou claro”.

Sobre o lance que anulou o gol de Bruno Henrique, o técnico questiona a nova orientação feita pela International Board (IFAB, na sigla em inglês), organismo que regula as leis do futebol. Desde 1.º de junho, a arbitragem deve marcar falta toda vez que a bola tocar na mão de um atleta da equipe que estiver atacando, mesmo que acidentalmente.

“A bola bate na mão do zagueiro do Internacional e raspa na mão do Willian. Isso não tem dúvida, está claro na imagem para nós. Ele marcou, depois da revisão, a bola do Willian. O Willian, antes da bola bater na mão dele, sofreu uma falta bem em frente à área. É muito complexo o lance, muito difícil. De maneira nenhuma foi voluntário o lance e não é o lance de acabamento da jogada. Me parece que a regra nova fala que você não pode fazer um gol com a mão. Mas ao sofrer a falta e levar vantagem nisso não está escrito em lugar nenhum. É nítido que o Willian não tem intenção. A gente fica chateado porque há interceptações diferentes do VAR”, reclamou Mano Menezes.

PAULO NOBRE TAMBÉM RECLAMA – Ex-presidente do Palmeiras, Paulo Nobre usou as redes sociais para também reclamar do lance que anulou o gol da vitória da equipe alviverde. “Revoltante! Parece brincadeira de mau gosto! Sinceramente, achei que esse recurso extracampo, que claramente foi usado de maneira ilegal e decidiu a final do Paulistão 2018, viesse oficialmente para ajudar e dar credibilidade ao futebol! Hoje (domingo) percebo que esse VAR, cheira mal!”, escreveu.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.