Esportes

“Maior pilantra que tá no meio do futebol”, diz Argel Fuchs sobre Pastana em áudio vazado

Rodrigo Pastana deverá acionar a justiça sobre as acusações feitas pelo ex-treinador. Ambos os profissionais trabalharam juntos no Coritiba, em 2019.

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
“Maior pilantra que tá no meio do futebol”, diz Argel Fuchs sobre Pastana em áudio vazado
Foto: Augusto Oliveira/ASCOM CSA

21 de setembro de 2020 - 23:13 - Atualizado em 21 de setembro de 2020 - 23:57

Em áudios vazados de Argel Fuchs neste domingo, o ex-treinador Alviceleste faz duras críticas ao novo dirigente de futebol do CSA, Rodrigo Pastana. Ambos trabalharam juntos no Coritiba (2019) e Figueirense (2014). 

Um dos áudios foi enviado ao presidente do clube, Rafael Tenório, no qual Argel Fuchs agradece por ter sido demitido e não precisar trabalhar com Pastana, pois segundo ele já tiveram problemas pessoais anteriormente.

“Boa tarde, presidente Rafael, tudo bem? Queria agradecer o senhor por ter me mandado embora, porque eu trabalhar com esse vagabundo do Pastana. Esse cara é o maior pilantra que tem no meio do futebol, é o maior sem vergonha que tem. Tive um problema muito sério com esse rapaz lá em Curitiba, e eu gosto muito do senhor. Cuidado com seu bolso, cuidado com o seu bolso porque esse cara é ladrão, é sem vergonha, é esquemeiro. Toma dinheiro de empresário, toma dinheiro de jogador. O senhor contratou uma raposa para tomar conta das galinhas. Então o senhor abra o olho. Se eu soubesse que ele era o diretor, o senhor nem precisava ter me mandado embora que eu mesmo ia pegar e ia embora. Só quero fazer um acerto justo, mas nada e vida que segue. O senhor contratou um grande vagabundo, o maior pilantra que tá no meio do futebol, esse tal de Rodrigo Pastana, que o senhor contrato”, disse Argel Fuchs na mensagem de áudio.

Em um segundo áudio enviado para um grupo de treinadores, Argel Fuchs usa palavras duras para reforçar a sua insatisfação com o dirigente.

“Boa tarde, meus colegas de trabalho aí, a todos os treinadores aí do futebol brasileiro, essa classe que a gente tem. Eu venho aqui comunicar a vocês que eu não faço mais parte da equipe do CSA porque eu não trabalho com vagabundo, com pilantra, com sem vergonha, com safado, com diretor executivo que leva dinheiro de jogador, que toma dinheiro de empresário, que faz esquema com empresário. Por isso que não compactuo com isso. E o CSA contratou um diretor que já eu tive problemas, e alguns dos meus colegas também já tiveram problema com esse, esse… pilantra, essa é a palavra certa. E eu não trabalho com pilantra, né? Então eu acabei saindo aqui, me liberando. Queria deixar isso registrado até porque algum de vocês vai trabalhar com esse diretor executivo e, certamente, alguns de vocês já tiveram o desprazer de trabalhar com esse cara. E esse cara é um mal para o futebol. Essa é a grande verdade. Deixo um abraço a todos e vida que segue. Ele já teve problema com vários companheiros nossos, inclusive comigo já, em dois lugares, no Figueirense e Coritiba. Então a gente precisa saber quem são os diretores executivos pilantras, e esse é o pilantra número um, bandido número um. Vagabundo, sem vergonha, certo? Queria deixar isso registrado aí, no apreço e no orgulho que eu tenho de participar desse grupo de treinadores aí, da nossa classe, até para a gente saber quando encontrar esse rapaz. Um grande abraço para vocês aí. Boa tarde”, finalizou.

Argel Fuchs foi demitido do CSA com apenas 18 dias de trabalho, após o clube perder em casa, para o Cuiabá na Série B do Brasileirão e atualmente, segue sem clube.

Em entrevista à Gazeta do Povo/Tribuna do Paraná, Pastana disse  que Argel Fuchs terá que responder na justiça pelas “insinuações levianas” e terá que provar tudo que falou para diminuir o prejuízo causado.