Bastidores

Jesualdo vê 2º tempo em derrota como “futuro do Santos” e minimiza cobranças

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais

22 de fevereiro de 2020 - 00:00 - Atualizado em 22 de fevereiro de 2020 - 00:00

O técnico Jesualdo Ferreira admitiu a atuação ruim do Santos, principalmente no primeiro tempo da derrota por 2 a 0 para o Ituano neste sábado, em Itu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista.

“Foi o jogo típico de uma equipe que não foi feliz. Na primeira parte, tínhamos controlado. A equipe do Ituano é difícil. Até que surgiram Yago e Correa com dois gols fora do contexto, dois grandes gols. A partir do primeiro gol, a equipe perdeu a confiança, não foi a mesma equipe. Na segunda parte, vocês todos perceberam a reação da equipe, a intensidade, a agressividade, o controle de bola, a criação de algumas situações. Se tivesse acontecido um gol, o jogo poderia ter outra cor e poderíamos ter um resultado melhor. Mas prefiro reter as coisas que fizemos bem. A equipe está muito mais forte fisicamente, muito mais capaz, e a equipe é capaz, quando tem confiança, quando perde a timidez, de subir, de pressionar, de jogar bem, de criar dificuldades para o adversário”, analisou.

“Na primeira parte o que marcou a diferença foi o 1º gol. No segundo tempo, demos uma resposta que eu pretendo que seja o futuro do Santos. Que vai ser o futuro do Santos. Quando os jogadores acreditarem que podem jogar bem melhor que na primeira parte”, completou.

Jesualdo ainda projetou o clássico contra o Palmeiras, sábado, no Pacaembu, e minimizou a cobrança do torcedor.

“O jogo com o Palmeiras é diferente. Tem que ser sempre diferente quando queremos evoluir. A resposta é que temos uma semana para evoluir e sermos melhores no próximo jogo. Aqui, fica um pedido: vamos jogar em São Paulo, temos muitos torcedores, e espero que incentivem a equipe por um jogo melhor e um resultado melhor. É diferente o jogo. Acho que é bom o próximo jogo ser o Palmeiras. Acho ótimo”, avaliou.

“Eu vejo essa cobrança em qualquer lugar. Vi no Corinthians, no São Paulo, teve no Palmeiras e agora acabou. É normal e não me preocupa. Essa questão me preocupa mais quando é feita em cima dos jogadores. A mim não. Acho que é normal. Não sei se cobra mais ou não (do que na Europa), mas no Brasil se cobra bastante”, concluiu.

O Santos voltará a campo no clássico da oitava rodada do Campeonato Paulista. Logo depois, o Peixe terá pela frente o Defensa y Justicia, dia 8, na Argentina, pela estreia na Libertadores da América.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.