Bastidores

Gómez nega comparações com Arce e Gamarra e defende fazer própria história

Zagueiro já marcou seu nome entre os ídolos da história palmeirense

Gazeta
Gazeta Esportiva
Gómez nega comparações com Arce e Gamarra e defende fazer própria história
Zagueiro foi importante nas conquistas recentes do clube (Foto: Agência Palmeiras)

30 de março de 2021 - 12:58 - Atualizado em 30 de março de 2021 - 13:50

O zagueiro paraguaio Gustavo Gómez foi um dos principais jogadores do elenco do Palmeiras na última temporada. Além de muito importante no setor defensivo, o camisa 15 foi autor de seis gols (o principal deles em cima do Grêmio na primeira partida da final da Copa do Brasil). Alguns torcedores o comparam com grandes paraguaios na história do futebol brasileiro como Gamarra e Arce.

“Eles foram grandes jogadores. Eu quero fazer minha história. Fico muito feliz de ser comparado com Gamarra. Estou fazendo minha parte aqui. No final, quando acaba a carreira, o que ficam são os títulos e o que eu construí”, disse o zagueiro em entrevista ao programa Jogo Aberto, da Bandeirantes.

Na temporada 2020, Gustavo Gómez passou pelas mãos de Vanderlei Luxemburgo e Abel Ferreira. Mesmo que os grandes méritos tenham vindo sob o comando do português, o zagueiro enxerga Luxa como um fator determinante no sucesso.

“O Luxemburgo tem muita história no Palmeiras. Ele chamou a molecada para o profissional e fez muitas trocas. Ele estruturou tudo muito bem. Conquistamos o Paulista. Mas o futebol é assim, os últimos jogos deles aqui não deram certo e ele saiu. Mas eu gosto muito do Abel. Ele é um ótimo treinador, uma pessoa incrível. Ele chegou aqui como um vencedor. Foi peça fundamental nas conquistas e melhoramos muito na intensidade”, opinou o zagueiro.

No Brasil desde 2018, Gómez já foi multicampeão com o Verdão e pelo caminho enfrentou diversos jogadores. Mesmo lesionado em boa parte da última temporada, Guerrero ainda é o melhor atacante do Brasil, segundo o paraguaio. Além disso, ele não poupou elogios a Rodrigo Caio, do Flamengo.

“Tem muitos atacantes bons no Brasil. O mais complicado de marcar é o Guerrero. Temos ainda o Gabigol e o Bruno Henrique. Eles são difíceis de marcar. Tenho que trabalhar e superá-los. Na defesa, gosto muito de jogar com o Luan. Existem muitos zagueiros bons, Rodrigo Caio, Geromel, Cuesta, Kanemann e Junior Alonso. Acho o Rodrigo muito forte e muito técnico, um grande jogador”, comentou o camisa 15 do Alviverde.

O Palmeiras segue treinando a espera de uma decisão do Governo do Estado em relação à continuidade do Campeonato Paulista. Mesmo com um jogo a menos que Corinthians e Mirassol, é o segundo melhor time na competição.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.