Basquete

França tem missão de derrotar o ‘Team USA’, rei do basquete olímpico

Gazeta
Gazeta Esportiva

6 de agosto de 2021 - 12:00 - Atualizado em 6 de agosto de 2021 - 12:30

Será esse o dia de glória para a equipe de Nicolas Batum? A seleção francesa de basquete luta para conseguir realizar a façanha de se sagrar campeã olímpica pela primeira vez, nesta sexta-feira às 23h30 (horário de Brasília, madrugada de sábado em Tóquio) contra o ‘Team USA’ de Kevin Durant, que busca seu quarto ouro consecutivo.

As chances são tão poucas que o técnico da França, Vincent Collet, disse, depois de derrotar a Eslovênia de Luka Doncic por 90-89 na quinta-feira, que “ganhar o ouro tornaria esta final, já histórica, lendária para o basquete francês”.

Norte-americanos são os atuais tricampeões olímpicos – Aris MESSINIS / AFP

‘Uma obra prima’

A França chega à decisão depois de sofrer contra a Itália e passar sufoco diante da Eslovênia, contra a qual conseguiu segurar Doncic – que fez um triplo-duplo com 18 assistências – e na qual Klemen Prepelic poderia ter garantido a vitória mas foi interceptado por um toco crucial de Nico Batum.

Depois de uma preparação caótica, com seus três finalistas da NBA (Middleton, Holiday e Booker) desembarcando no Japão faltando pouco para o início dos Jogos, os Estados Unidos vêm crescendo, mostrando todo o seu potencial nas segundas partes dos jogos contra Espanha e Austrália, após duas primeiras em que parecia vulnerável.

Seu líder Kevin Durant, que não havia começado bem na capital japonesa, vem se destacando nos últimos jogos, tornando-se o maior cestinha de seu país na história dos Jogos, à frente de Carmelo Anthony.

Outros que também se acertaram com ele foram Jayson Tatum e Devin Booker.

“Não vai ser fácil, não é a mesma equipe de há duas semanas. Eles alcançaram o ritmo de ‘KD’ (Kevin Durant)”, declarou Batum.

Admirável na sua abnegação defensiva, o capitão francês deve mais uma vez ser o cérebro de uma equipe em que seus cestinhas Nando De Colo e Fournier brilharam contra a Eslovênia. Outra peça fundamental contra os Estados Unidos será Rudy Gobert, o melhor defensor da NBA.

“Nunca pensamos que, ao vencê-los no início do torneio, seríamos melhores do que eles. Mas ainda temos a ambição de fazê-lo. Teremos que inventar um novo caminho. Teremos que permanecer fiéis à nossa identidade”, afirmou Collet.

“Teremos que fazer uma obra-prima”, acrescentou.