Bastidores

Fisioterapeuta explica segredo da longevidade de atletas que vão a Tóquio

Gazeta
Gazeta Esportiva
Fisioterapeuta explica segredo da longevidade de atletas que vão a Tóquio

25 de junho de 2021 - 08:00 - Atualizado em 25 de junho de 2021 - 08:45

Cada vez mais nos deparamos com atletas de diferentes esportes alcançando certa longevidade em suas atividades. Parte desse sucesso se deve à fisioterapia, que afeta diretamente o rendimento dos esportistas. Membro da equipe do Comitê Olímpico Brasileiro, Ricardo Takahashi aposta no sucesso desses veteranos em Tóquio.

“A fisioterapia esportiva atua para prevenir lesões, melhorar o desempenho e a longevidade do atleta, atuando junto a qualidades como força, resistência, velocidade, flexibilidade e equilíbrio”, comentou Ricardo Takahashi.

Taka, como é conhecido, é fisioterapeuta há mais de 20 anos e já trabalhou nos Jogos Olímpicos de Londres/2012 e Rio/2016, seguindo para a sua terceira Olimpíada.

Ricardo Takahashi com Robert Scheidt (Foto: Divulgação)

Trabalhando com atletas como o velejador e bicampeão olímpico Robert Scheidt, de 48 anos, Ricardo destacou a dificuldade em preparar atletas de diferentes modalidades.

“Cada modalidade tem suas particularidades e cada atleta tem sua preferência, um ritual pré e pós competição e rotinas pessoais. Em primeiro lugar, é preciso saber como podemos ajudá-los. O fisioterapeuta que trabalha na área esportiva precisa conhecer a modalidade, as demandas e as necessidades do atleta e, dessa forma, juntos, elaborar uma rotina de trabalho de recuperação e prevenção”, explicou.

“Não é incomum passar madrugadas tratando de contusões para que o atleta possa competir horas depois. Porém, o trabalho no dia a dia previne lesões e controla dores crônicas, prolongando a vida esportiva. Isso vale para amadores e profissionais”, finalizou Taka.

Em busca do ouro, diversos atletas veteranos e de diferentes modalidades competem nos Jogos Olímpicos. Em Tóquio, Daniel Alves, de 38 anos, está convocado para a Seleção Masculina de Futebol. Além do lateral, Formiga, de 43, compete no feminino.

E para esticar cada vez mais o alto rendimento dos atletas, fica visível a necessidade de toda uma equipe com profissionais de qualidade a fim de potencializar o sucesso e a conquista de uma medalha.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.