Alemanha

Fernando Santos avalia derrota para a Alemanha e projeta partida contra a França: ”Só dependemos de nós”

Em coletiva de imprensa, o treinador português analisou a derrota de seu time para os alemães e percebeu seus jogadores reagindo após a partida

Gazeta
Gazeta Esportiva
Fernando Santos avalia derrota para a Alemanha e projeta partida contra a França: ”Só dependemos de nós”
Treinador português está confiante na classificação às oitavas (Foto: Reprodução/AFP)

22 de junho de 2021 - 13:33 - Atualizado em 22 de junho de 2021 - 14:30

A Seleção Portuguesa foi derrotada para a Alemanha no último sábado por 4 a 2. O resultado embolou a classificação do grupo F da Eurocopa, considerado o ”grupo da morte” da competição. Todos seus integrantes (Alemanha, França, Hungria e Portugal) têm chances de classificação.

Em coletiva de imprensa, o treinador português Fernando Santos analisou a derrota de seu time para os alemães e percebeu seus jogadores reagindo após a partida: “Todos temos a noção da responsabilidade, mas a equipe, no dia seguinte, já estava reagindo e na curva ascendente, pois temos jogadores muito experientes, que estão habituados a reagir”, disse.

Porém, o técnico assumiu que nem tudo corre bem com seu time.

”Analisamos bem o jogo com a Alemanha e penso que todos chegamos a uma conclusão: o espírito de Portugal, infelizmente, não foi aquele que esteve no jogo com a Alemanha. Houve coisas positivas, houve vontade, mas uma equipe que em 58 jogos só uma vez sofreu três gols e agora sofreu quatro é porque alguma coisa não está correndo bem. Temos noção disso”

Nesta quarta-feira, Portugal enfrenta a líder da chave França, às 16h (de Brasília), em Budapeste. Se vencer, conseguirá a classificação para as oitavas de final da Euro. Fernando Santos analisou seu próximo adversário.

”Joga com três atacantes móveis, com dois meias que atacam bem a profundidade. Não temos a questão de haver superioridade numérica do adversário, se nos concentrarmos e melhorarmos a intensidade, quando tivermos bola sairemos para jogar, obrigando o adversário a se movimentar e se cansar. No fundo, é aquilo que as equipes grandes têm de fazer: defender bem e atacar bem para poderem ganhar jogos”, comentou.

”Partimos para este jogo, só dependendo de nós próprios. Agora temos de fazer o nosso trabalho em todas as variantes, estratégicas, mentais, vontade, entrega, determinação, solidariedade. Também esperamos isso da França, obviamente, mas dependemos de nós”, encerrou.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.