Atlético-GO

Estudo aponta que 2020 foi “pior ano da história” nas finanças de clubes brasileiros

Gazeta
Gazeta Esportiva
Estudo aponta que 2020 foi “pior ano da história” nas finanças de clubes brasileiros

11 de maio de 2021 - 06:00 - Atualizado em 11 de maio de 2021 - 06:15

Um estudo realizado pela Sports Value analisou os impactos da pandemia do novo coronavírus nos 20 clubes de maior receita no Brasil. A crise financeira das equipes, que já era delicada, se tornou ainda mais grave.

A pesquisa apontou que 2020 foi o pior ano da história em termos financeiros para os times nacionais. Houve uma redução de 19,5% nas receitas, cerca de R$ 1 bilhão. A queda ocorreu, principalmente, nos valores que envolvem bilheteria e direitos de TV.

Com as receitas menores, as dívidas dos 20 clubes tiveram alta de 17% em relação a 2019, chegando a R$ 10,2 bilhões, o maior valor da história.

O time mais endividado do país no momento é o Atlético-MG, o primeiro a chegar à marca de R$ 1,2 bilhão. O “top 3” ainda conta com Cruzeiro, com R$ 962,5 milhões, e Corinthians, com 949,2 milhões.

Atlético-MG é segundo o clube que mais investiu em reforços, atrás do Flamengo (Foto: Divulgação/CAM)

O momento conturbado exigiu que as equipes freassem seus gastos. As que tiveram a redução mais concreta dos custos com futebol foram, respectivamente, Cruzeiro, Vasco e São Paulo.

Para combater o momento de crise, a venda de atletas passou a ser ainda mais importante. No entanto, a análise da Sports Value apontou outras formas de lidar com os problemas financeiros.

Segundo o estudo, os clubes que melhor sobreviveram na pandemia foram aqueles que, além de negociar jogadores, tiveram redução de despesas em 10%, marketing criativo e inovação tecnológica.

A adequação às novas tendências da tecnologia, inclusive, é um caminho importante para que as receitas de marketing possam crescer, seja durante ou depois da pandemia.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.