Esportes

Estádio Pacaembu completa 80 anos de história nesta segunda-feira (27)

Atualmente, o campo tornou-se a base de um hospital de campanha com 200 leitos para o combate ao coronavírus

Renata
Renata Nicolli Nasrala / Editora com informações da Agência Brasil
Estádio Pacaembu completa 80 anos de história nesta segunda-feira (27)
Foto: reprodução Agência Brasil/REUTERS/Rahel Patrasso

27 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 27 de abril de 2020 - 00:00

Nesta segunda-feira (27), o estádio Pacaembu está completando 80 anos de história. Atualmente com um propósito diferente, o estádio municipal abriga um hospital para receber pacientes da Covid-19 em meio a pandemia mundial.

Estádio Pacaembu 80 anos: conheça a história

Há 80 anos o Pacaembu abria as portas ao público na Praça Charles Miller, na cidade de São Paulo.

Em seguida, foi rebatizado de Paulo Machado de Carvalho, nome do chefe das delegações do Brasil nas conquistas da Suécia (1958) e do Chile (1962).

Misturado ao nome do bairro, o estádio do Pacaembu sediou eventos culturais marcantes.

Entre os capítulos desta história, jogos na Copa de 1950, as despedidas de Romário e Ronaldo fenômeno da seleção brasileira e as conquistas da Libertadores da América por Santos (2011) e Corinthians (2012).

Além disso, o gramado virou palco para receber o beatle Paul McCartney e o primeiro show dos Rolling Stones no Brasil.

No futebol, o Pelé também reinou muitas vezes no Pacaembu. Foram 159 partidas e 127 gols marcados no estádio, onde jogou pela última vez em setembro de 1974.

De acordo com a administração do estádio, uma obra está marcada para o final deste ano. A ideia é que no local onde se localiza o famoso tobogã seja construído um edifício de uso múltiplo de 44 mil m², que abrigará espaços comerciais, de alimentos e bebidas, de varejo, um estacionamento com 450 vagas, um anfiteatro, um centro de convenções subterrâneo e eventos.

estádio pacaembu

Foto: Mauro Horita/CBF

Estádio Pacaembu no combate ao coronavírus

No início de 2020, o estádio Pacaembu foi concedido pela prefeitura à iniciativa privada, e atualmente o campo tornou-se a base de um hospital de campanha com 200 leitos para atender às vítimas do novo coronavírus.