Bastidores

Em 2014, Palmeiras trocou de técnico três vezes para escapar do rebaixamento

Gazeta
Gazeta Esportiva

26 de março de 2021 - 07:00 - Atualizado em 26 de março de 2021 - 07:15

Nesta quarta-feira, a CBF anunciou que o Campeonato Brasileiro terá um limite de troca de treinadores. Cada clube poderá ter apenas dois técnicos ao longo da competição, algo que pode mexer numa característica histórica do país de constante mudança.

O Palmeiras, por exemplo, trocou muitas vezes de treinador em 2014, ano em que escapou por pouco da degola. O time foi comandado, ao todo, por Gilson Kleina, Ricardo Gareca e Dorival Júnior, além do interino Alberto Valentim. Se a regra já estivesse em vigor naquela época, o Verdão não teria contado com o último trabalho, e poderia ser “forçado” a permanecer com o estrangeiro.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Mesmo com a constante troca de treinadores, o Palestra quase não conseguiu escapar do rebaixamento. Na última rodada, teve que contar com a vitória do rival Santos para permanecer na elite do futebol nacional.

A tendência é que clubes que estão na parte de baixo da tabela troquem mais de treinador. Tanto que depois da injeção de dinheiro da Crefisa e com o alviverde disputando títulos, se viu menos trocas. Desde 2015, o time teve no máximo dois técnicos por temporada, sem contar os interinos, que não entram na nova regra.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.