Corra Mais

Meia Maratona de Curita vai fomentar economia circular; entenda

Organizadora de corridas inova e inclui o gerenciamento de resíduos em eventos esportivos na prova deste domingo (9) na capital paranaense

Angelo
Angelo Binder Conteúdo Comando News
Meia Maratona de Curita vai fomentar economia circular; entenda
Divulgação/KWM

5 de fevereiro de 2020 - 00:00 - Atualizado em 5 de fevereiro de 2020 - 00:00

No próximo domingo (9), além do novo percurso, a Meia Maratona de Curita terá outra novidade: a prova terá uma gestão de resíduos para transformação do que for coletado em novos produtos. Como vai funcionar? Uma parceria da Global Vita Sports, empresa responsável pela produção do evento, com a Kapersul Waste Management (KWM), desenvolvedora de soluções completas e integradas de gestão de resíduo, transformará resíduos da prova, como plásticos em geral, em novos produtos, como lixeiras, sacos de lixo, lonas e brindes para outros eventos organizados pela Global Vita. “A sustentabilidade sempre foi um pilar fundamental na visão de gestão que temos na Global Vita Sports. A parceria com a KWM veio para reforçar ainda mais o nosso compromisso em procurar formas para redução dos nossos impactos e mais que tudo, conscientizar o nosso público sobre a gestão correta dos resíduos e a importância da economia circular”, comenta Arthur Trauczynski, diretor de negócios da Global Vita Sports. 

A economia circular é regenerativa, pois ajuda a preservar os recursos naturais, e, ao mesmo tempo, diminui e até evita totalmente o descarte de resíduos. O que era antes apenas algo a ser descartado, se torna matéria-prima para novos produtos, que continuam circulando.

Desde 2019, a organizadora de corridas começou a abolir a utilização de sacolas plásticas nas entregas de kits para os participantes. A empresa estima ter deixado de colocar em circulação 45 mil sacolas plásticas em seus eventos que acontecem nas regiões sul e sudeste do Brasil somente no ano passado.

 Mais de 300 quilos de resíduos recolhidos em uma única corrida

A parceria entre as duas empresas começou na Corrida da Ponte, em janeiro de 2020, em Curitiba. Na ocasião, foram gerenciados mais 300 quilos de resíduos e boa parte poderá ser reutilizado para a economia circular, ou seja: esses resíduos vão virar matéria-prima para novos produtos. “Conseguimos reciclar boa parte dos resíduos e transformá-los em novos produtos. Além disso, o que não pode ser reciclado, será coprocessado e utilizado como combustível alternativo para produção de cimento”, destaca Juliana Gomes, gerente de marketing na KWM, empresa que atende indústrias de todo o Brasil, mas que pela primeira vez atua no gerenciamento de resíduos de corridas de rua.  Por ano, KWM faz, em média, a gestão de 120 mil toneladas de resíduos.

 Solução completa em reciclagem e coprocessamento de resíduos nas corridas

Para a prova do próximo domingo (9), estima-se o recolhimento para reciclagem e coprocessamento de mais de meia tonelada de resíduos. As empresas estão trabalhando juntas para encontrar soluções transformadoras e criativas para todos os eventos que serão realizados em 2020, aproximando cada vez mais as pessoas para refletirem sobre a importância do tema e procurarem mudar as suas atitudes individuais.

Leia mais: 3 dicas finais para você “voar” na Meia Maratona de Curita