Esportes

Douglas e Valéria chegam ao Mundial de karatê em busca de novos pódios

Gazeta
Gazeta Esportiva

12 de novembro de 2021 - 10:39 - Atualizado em 12 de novembro de 2021 - 12:00

Chegou a hora da principal competição do karatê internacional. O Campeonato Mundial de Dubai, nos Emirados Árabes, que começa na próxima terça-feira, reunirá os caratecas Douglas Brose e Valéria Kumizaki.

Para eles, o evento no Golfo Pérsico representará o grande objetivo para a parte final desta temporada e ambos estão confiantes em uma grande campanha em Dubai.

“As expectativas são muito boas para este Mundial. Acabei de ser campeão pan-americano pela sétima vez e agora vou em busca do meu tricampeonato mundial. Sinto que estou muito bem preparado, fisicamente e mentalmente”, afirmou Douglas Brose, que ficou com a medalha de ouro na competição em 2010, em Belgrado (Sérvia) e 2014 em Bremen (Alemanha).

“Estou muito empolgada. Este será meu nono mundial e me sinto como se estivesse indo para o primeiro”, comentou Valéria Kumizaki, que em 2016, na Áustria, ficou com o vice-campeonato em sua categoria (55 kg).

Representante da categoria até 60 kg, Douglas teve desafios a mais na fase de preparação, como a redução de competições. Ainda assim, acredita que fez uma ótima preparação, o que não diminuí a dificuldade que encontrará em Dubai. “Minha categoria terá neste Mundial 76 participantes e creio que já enfrentei uns 25 deles. Difícil apontar quais serão os favoritos, todos chegarão forte na competição”, disse o carateca brasileiro.

Entre as mulheres, Valéria também prefere não apontar suas principais rivais. “São muitas meninas excelentes, difícil citar uma ou outra. Mas estou muito focada em buscar uma nova medalha”, afirmou a carateca brasileira, que encontrou uma motivação extra nesta reta final de preparação.

O Mundial também é encarado pelos dois atletas como a principal competição na temporada. “Com o karatê fora do próximo ciclo olímpico, voltamos a ter o Campeonato Mundial o principal objetivo, além é claro dos Jogos Pan-Americanos. Mas agora voltamos a ter como foco no Mundial. Toda a minha carreira foi construída em cima de títulos mundiais. Tenho quatro medalhas nesta competição, sou bicampeão e tenho a meta pessoal de conquistar esse tricampeonato”, comentou Brose.

“No karatê, o Mundial acontece de dois em dois anos. É uma competição muito importante. Ser campeão mundial, para nós atletas, tem um valor tão grande quanto conquistar uma medalha olímpica”, concluiu Kumizaki.