Esportes

Do 4-3-3 para o 4-4-2: entenda a variação tática utilizada pelo São Paulo

Gazeta
Gazeta Esportiva

14 de setembro de 2020 - 09:00 - Atualizado em 14 de setembro de 2020 - 09:15

Se antes da paralisação por conta do coronavírus Fernando Diniz tinha encontrado a equipe titular do São Paulo, o técnico ainda busca o time ideal desde a retomada do futebol, em julho. Após o Tricolor apresentar uma irregularidade nos últimos dois meses, o treinador passou e testar alternativas táticas nos jogos.

Na primeira parte do ano, o São Paulo tinha um sistema bem definido: 4-3-3. Tendo Daniel Alves e Igor Gomes à frente de Tchê Tchê, o meio-campo tinha a função de servir o trio de frente formado por Antony (direita), Vitor Bueno (esquerda) e Alexandre Pato (centralizado).

No entanto, a perda de Antony, vendido ao Ajax, trouxe uma dificuldade ao Tricolor. Afinal, o time deixou de ter um jogador de velocidade e especialista em dribles pela direita. Com a chegada de Luciano, Diniz manteve inicialmente a ideia do 4-3-3, porém já mostrou que ganhou uma nova possibilidade para o time atual.

Se contra Sport, Corinthians e Red Bull Bragantino o São Paulo atuou nesse sistema, com Luciano aberto pela direita, o mesmo não pode ser dito dos jogos contra Atlético-MG e Santos. Nesses dois confrontos, o técnico modificou o sistema, passando a equipe para o 4-4-2.

Contra o Galo, Luciano fez dupla de ataque com Pablo, enquanto no clássico do último final de semana Igor Gomes foi o escolhido para atuar mais avançado. A alteração também afetou o posicionamento de Gabriel Sara, que deixou de jogar ao lado de Hernanes e foi deslocado para a faixa direita do campo.

No 4-4-2, o Tricolor perde jogadores na faixa central do meio-campo, porém ganha em outros aspectos. Tendo dois jogadores bem abertos, o time passa a ter mais jogadas combinadas com os laterais que fazem ultrapassagens. Com a dupla de ataque, a equipe passa a ganhas presença de área, além de ter mais capacidade de pressionar a saída de bola dos defensores adversários.

O time que entrará em campo para enfrentar o River Plate, na próxima quinta-feira, às 19h, pela Libertadores, ainda tem incógnitas. Afinal, Luciano está suspenso na competição continental e Pablo, que se recupera de uma lesão na costela, não deve ser liberado a tempo.