Esportes

Digão vê responsabilidade aumentar após eliminações do Fluminense

Gazeta
Gazeta Esportiva

16 de outubro de 2020 - 14:40 - Atualizado em 16 de outubro de 2020 - 15:30

O Fluminense dá sinais de que está dando uma virada na temporada. O Tricolor colecionou decepções em 2020 com a perda do título carioca na final contra o Flamengo e as eliminações precoces na Sul-Americana e na Copa do Brasil. Mas depois da sofrida derrota para o Atlético-GO no mata-mata nacional, o time alcançou a marca de cinco jogos invicto, com três vitórias e dois empates.

A boa fase consolidou a posição no G6 do Campeonato Brasileiro, e, sem outras competições para disputar, o Fluminense pode focar na disputa pelo título. Entretanto, se o calendário será mais folgado, a responsabilidade do grupo aumenta na visão do zagueiro Digão.

“Sem dúvida a responsabilidade é maior pelo fato de estarmos eliminados em duas competições importantes. Eu não queria ter esse tempo para trabalhar, essa semana cheia. Eu queria estar na Copa do Brasil, na Sul-Americana, mas infelizmente isso não aconteceu. O sarrafo aumenta e a gente sabe disso, e vamos aproveitar essa semana cheia que temos pela frente pra continuar nessa parte de cima da tabela, que é o nosso maior objetivo”, disse o jogador em entrevista coletiva na FluTV.

Neste sábado o Flu recebe o Ceará, no Maracanã, pela 17ª rodada do Brasileirão. O Vovô, que teve a semana de folga para se preparar, vem de dois bons resultados, um empate contra o Furacão fora de casa e uma vitória sobre o Corinthians, no Castelão.

Para Digão, o time tem que esquecer a questão da invencibilidade e focar no difícil confronto que terá pela frente.

“Essa parte de invencibilidade a gente tem que deixar pra trás. Não adianta nada ter feito um jogo legal contra o Bahia, contra o líder do Campeonato e chegar amanhã no Maracanã e entrar de salto alto. Então não é isso que a gente quer, a gente já conversou bastante ali no treinamento”, alertou Digão.

Para o zagueiro de 32 anos, campeão brasileiro pelo o Fluminense em 2010 e 2012, o time está na disputa do título em 2020.

“O Fluminense é time grande, a gente tem que entrar no campeonato sempre procurando visar ao título. O Campeonato Brasileiro é um dos mais difíceis do mundo, e com essa situação da pandemia eu acho que ficou ainda mais difícil. Por conta de não ter torcida, a dificuldade aumenta. Mas essa camisa é muito pesada, muito grande. É um clube que está sempre vencendo e temos de olhar sempre para cima na tabela”, concluiu.

Fluminense e Ceará entram em campo às 19 horas deste sábado.