Esportes

Derrota contra o Coritiba marca o fim da quinta passagem de Luxa pelo Palmeiras

Gazeta
Gazeta Esportiva

14 de outubro de 2020 - 23:38 - Atualizado em 14 de outubro de 2020 - 23:45

A quinta passagem do técnico Vanderlei Luxemburgo pelo comando da Sociedade Esportiva Palmeiras foi encerrada na noite desta quarta-feira. Após a derrota diante do Coritiba, sofrida pelo Campeonato Brasileiro em pleno Allianz Parque, o trabalho do experiente treinador chegou ao final.

Assim, Luxa deixa o cargo com um retrospecto de 18 vitórias, 15 empates e cinco derrotas ao longo desta temporada, as últimas três sofridas de maneira consecutiva. Sob o comando do treinador, o time alviverde anotou um total de 54 gols e sofreu 28.

Encarregado de suceder Mano Menezes, Vanderlei Luxemburgo teve o ponto alto de sua gestão no Campeonato Paulista. Jogando de forma pragmática, o Palmeiras quebrou um jejum de 12 anos ao superar o arquirrival Corinthians nos pênaltis após dois empates nas finais.

O time alviverde chegou a passar 20 jogos consecutivos sem derrota (10 vitórias e 10 empates), mas teve rendimento decepcionante na maioria deles. Antes apontada como ponto de sustentação para o trabalho de Luxa, a sequência ruiu diante do Botafogo e a crise se instalou com os tropeços diante de São Paulo e Coritiba.

A despeito do futebol abaixo do esperado exibido pelo Palmeiras há algum tempo, Luxa ganhou sobrevida em função do contexto vivido pelo clube alviverde em 2020, temporada marcada pela pandemia de covid-19. Com apenas duas contratações, o técnico precisou recorrer aos jovens da base e ainda perdeu Dudu.

Após a derrota contra o frágil Coritiba, no entanto, a situação de Luxa ficou insustentável. Com seis alterações no time titular, o time sofreu dois gols logo no primeiro tempo e, claramente bagunçado em campo, não conseguiu reagir, causando a despedida do treinador.

Dono de oito títulos pelo Palmeiras, Luxa é o técnico recordista no quesito, já que ganhou o Campeonato Paulista (1993, 1994, 1996, 2008 e 2020), o Brasileiro (1993 e 1994) e o Rio-São Paulo (1993). Aos 68 anos, ele sai com 244 vitórias, 96 empates e 71 derrotas em 411 jogos, com 810 gols marcados 372 sofridos.