Esportes

Cuca diz que veio ao Santos pela metade do salário e projeta “casa em ordem” em duas semanas

Gazeta
Gazeta Esportiva

27 de agosto de 2020 - 18:11 - Atualizado em 27 de agosto de 2020 - 18:30

Cuca é mais que um técnico no Santos. Aos 57 anos e na terceira passagem pelo Peixe, ele tenta ajudar o clube muito além dos treinamentos.

Cuca participou do acordo com Eduardo Sasha e decidiu reintegrar Everson. Alinhado com a diretoria, ele projeta a “casa em ordem” em até duas semanas.

Arrumar a casa significa pagar dívidas ao elenco e fazer acordo com o Hamburgo, da Alemanha, para ser desbloqueado na Fifa e poder contratar. O débito por Cleber Reis beira os R$ 30 milhões.

“A prioridade não é contratar, é colocar em ordem as coisas internamente. Não adianta trazer dois ou três e não arrumar aqui. Estou com a gurizada, sabia que trabalharia com os meninos. Perdemos um clássico sem jogar mal, poderíamos ter empatado. Com trabalho vamos recuperar. Temos que pensar no que a gente tem, arrumar aqui dentro, e depois podemos fortalecer mais o elenco pela quantidade de jogos e competições importantes. Sabemos que precisamos de elenco grande para aguentar a batida”, disse Cuca.

O treinador revelou que aceitou metade do salário de 2018. E que toparia ainda menos.

“Não vim pela questão financeira, vim pela metade do que eu ganhava da outra vez. Se oferecessem menos, viria também. Sabia da questão financeira e não vou me queixar, eu sabia disso. Quero que dentro dessa passagem a gente tenha divergências, mas sendo transparente em tudo. Estou sendo em tudo com o presidente quando podemos conversar e Pedro (Doria) e Matheus (Rodrigues) (membros do Comitê de Gestão). Estamos sempre juntos e sanando coisas. Ida do Sasha foi um trabalho e equilibramos coisas atrasadas, bichos. Jogador fica contente. Daqui a pouco entra outra verba dos direitos dos clubes e sana. Temos que fazer primeiro esse dever, por isso que jogador confia em mim e nos diretores. Se sanarmos o atraso e colocar a casa em ordem, podemos reforçar. Dentro da realidade também. Maior reforço é o jogador estar feliz da vida, representando o clube e recebendo em dia. Isso é a coisa mais importante. Pessoal está correndo atrás”, afirmou, antes de lembrar de críticas à administração há dois anos.

“Eu não falei errado, mas falei na hora errada, da raiva pela eliminação na Libertadores. E vi muita melhora aqui dentro. Tem um cara que trabalha todo dia e aparece pouco, o Jorge Andrade (agora diretor de futebol). Fuça, vai atrás. O Matheus, o Doria… Dão a cara à tapa, procuram soluções. O presidente sempre junto. Coisas evoluíram bem. Coisas estão caminhando para o Santos dar apaziguada geral em problemas. Tenho muita esperança em umas duas semanas colocarmos casa toda em ordem, todo mundo ficar feliz da vida e explorar todo o potencial de cada um. Estão sendo competentes, mas podemos melhorar”, concluiu.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.