Bastidores

Corinthians pode ser investigado pelo MPF por suposto pagamento de propina a juiz

Gazeta
Gazeta Esportiva

5 de agosto de 2020 - 15:16 - Atualizado em 5 de agosto de 2020 - 15:45

Quatro pessoas ligadas ao Corinthians foram ouvidas pelo Ministério Público Federal

O Ministério Público Federal (MPF) quer investigar um suposto pagamento de propinas pelo Corinthians ao juiz Leonardo Safi de Melo, da 21ª Vara Cível Federal em São Paulo, para obter levantamento de alvará em 2018. Segundo publicação do jornal O Estado de S. Paulo, o pedido de autorização da Justiça para abrir inquérito foi realizado na última segunda-feira.

O caso do Timão é um entre 18 processos em que houve indícios de atuação criminosa comandada pelo juiz para venda de decisões e sentenças na Vara Federal. De acordo com o veículo, Leonardo Safi de Melo foi denunciado por corrupção passiva, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo o Ministério Público Federal, foram ouvidas quatro pessoas ligadas ao Corinthians: Juliano Di Pietro, advogado contratado pelo clube; Fabio Souza Trubilhano, diretor jurídico;  Alexandre Husni, vice-presidente; e Andrés Navarro Sanches, presidente.

De acordo com o relatório obtido pelo jornal, Andrés, Fabio Souza e Juliano “confirmaram a solicitação de vantagem, mas não o seu pagamento”. Já Alexandre Husni “confirmou o pagamento de vantagem indevida para o levantamento do alvará nº 3848098, expedido pelo Juiz Federal Leonardo Safi de Melo, em 27/06/2018, no valor de R$ 566.638,05”.

Em nota divulgada nesta quarta-feira, o Corinthians afirmou que “todos os esclarecimentos foram prestados perante à Policia Federal, confirmando a solicitação de vantagem indevida”. Contudo, o Timão garantiu que “jamais se aceitou ou anuiu com essa solicitação”.

Sobre o depoimento de Alexandre Husni, a equipe alvinegra explicou que ” se refere a processo de seu escritório movido contra os correios, sendo importante destacar que tal processo não tem relação alguma com o clube”.

Confira na íntegra o comunicado divulgado pelo Corinthians:

O Sport Club Corinthians Paulista, através de sua Diretoria, esclarece que sobre os fatos veiculados e que envolvem a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o juiz federal Leonardo Safi de Melo, todos os esclarecimentos foram prestados perante à Policia Federal, confirmando a solicitação de vantagem indevida. Ademais, jamais se aceitou ou anuiu com essa solicitação.

Esclareça-se, ainda, que o processo que tramitava sob a jurisdição desse Magistrado teve desfecho desfavorável ao pretendido pelo clube, o que foi alvo de recurso. O Corinthians ou seus representantes jamais cometeram qualquer ilicitude e não compactuam com qualquer ato de corrupção.

E, por fim, esclareça-se que o depoimento do Vice-Presidente, Alexandre Husni, de que valores foram entregues aos servidores públicos investigados, se refere a processo de seu escritório movido contra os correios, sendo importante destacar que tal processo não tem relação alguma com o Clube. O SCCP reafirma seu repúdio à conduta dos servidores públicos envolvidos nesses crimes e se colocou inteiramente à disposição das autoridades para a efetiva apuração do ocorrido.