Corinthians

Coelho assume culpa por derrota do Corinthians e se recusa a responder duas perguntas

Gazeta
Gazeta Esportiva

12 de outubro de 2020 - 00:49 - Atualizado em 12 de outubro de 2020 - 01:15

Dyego Coelho concedeu, provavelmente, sua última entrevista coletiva como técnico do Corinthians na noite deste domingo, depois da derrota para o Ceará, no estádio do Castelão.

Colocado no cargo após a demissão de Tiago Nunes, o ex-lateral agora dará lugar a Vagner Mancini. Antes disso, porém, Coelho fez questão de assumir a culpa pelo revés que colocou o Corinthians na zona de rebaixamento.

“A responsabilidade dessa derrota e do trabalho é minha, porque a gente pede para sair jogando, pede para fazer uma série de situações e, às vezes, não acontece tecnicamente por uma série de situações. Então, para o torcedor entender e para vocês da imprensa entenderem, o responsável por essa derrota sou eu”.

Esta segunda passagem de Coelho pelo time principal teve um retrospecto de três derrotas, três empates e apenas uma vitória.

Claramente incomodado com a situação, Coelho deixou de responder duas perguntas enviadas pelos jornalistas. A primeira era se ele gostaria de ser auxiliar técnico na equipe principal. E a segunda remetia a escolha por Éderson e pelo fato de Xavier não ter sido mais utilizado. Em ambas, Coelho preferiu o silêncio.

Confira os outros trechos da entrevista de Dyego Coelho:

Balanço à frente do time

“Nós fizemos de tudo, volto a repetir, quando as coisas não funcionam, a responsabilidade é minha. Nós tentamos de tudo, que fique claro, todo nosso trabalho e dedicação. As coisas não funcionaram, então, eu respondo pela derrota de hoje”.

Estratégia e vestiário

“A gente tentou deixar o time mais móvel, era essa nossa intenção. E os jogadores, claro, muito triste, o vestiário um silêncio, quieto e agora a gente espera que o Corinthians se saia bem”.

Luan nos treinos

“A grande situação é que vocês não acompanham o treino, ele demonstra algumas coisas, pela situação do Cazares que não pode jogar acima de 50 ou 60 minutos, não lembro, e por isso ele está jogando”.

Sete escalações em sete jogos

Claro que todo cara que está no comando quer colocar o mesmo time, mas às vezes as coisas não funcionam, cartão, lesão, convocação, vocês acompanharam”.

Sentimento pessoal

“Eu tenho feito de tudo, junto com as pessoas que estão ao meu redor, na comissão técnica, a gente vem se dedicando, os jogadores também, então, se tiver qualquer tipo de troca, de situação parecida, porque ter certeza que minha cabeça está bem, porque demos o nosso máximo, resultado não veio hoje e, volto a repetir, esse resultado a culpa é minha, e espero que o Corinthians volte a vencer o mais rápido possível”.