Ceará

CBF admite erro de comunicação no VAR em gol anulado do São Paulo contra o Ceará

Gazeta
Gazeta Esportiva

26 de novembro de 2020 - 20:22 - Atualizado em 26 de novembro de 2020 - 20:30

Nesta quinta-feira, a Comissão Nacional de Arbitragem da CBF deu o seu parecer e explicou que houve erro de comunicação no procedimento de checagem do VAR, que causou polêmica no gol anulado do São Paulo contra o Ceará, em duelo disputado nesta quarta e válido pelo Campeonato Brasileiro.

Após Pablo balançar as redes e recolocar o Tricolor em vantagem no marcador, o árbitro de vídeo validou o gol mesmo com o auxiliar assinalando impedimento, corretamente, do atacante. O árbitro Wagner do Nascimento Magalhães chegou a autorizar o reinício do jogo, mas voltou atrás após nova chamada do VAR e, enfim, anulou a jogada.

Segundo a explicação da entidade, o árbitro de vídeo precisou checar o lance duas vezes para tomar a decisão. Na primeira, informou gol legal, o que fez o árbitro central validar o lance. Em seguida, entretanto, informou uma nova checagem, percebendo impedimento na origem da jogada.

Contudo, uma comunicação paralela entre o árbitro de campo e o quarto árbitro, a respeito da aplicação de um cartão amarelo para um jogador do Ceará, atrapalhou a segunda orientação da cabine do VAR para o árbitro central.

Por conta disso, Wagner do Nascimento Magalhães, o dono do apito na partida, autorizou o reinício do jogo e não ouviu a correção do árbitro de vídeo, que pediu para esperar uma nova checagem ser concluída.

Ao final da nota, a Comissão Nacional de Arbitragem ainda informou que vai abrir a possibilidade dos dirigentes de Ceará e São Paulo compareceram na sede da CBF para fazer mais esclarecimentos, se necessário.

Ainda na quarta-feira, logo depois da partida, o diretor de futebol do Tricolor, Raí, classificou o erro como “absurdo” e informou que iria pedir esclarecimentos da entidade.

Confira na íntegra a nota da Comissão Nacional de Arbitragem:

Após a análise dos áudios e imagens da cabine do VAR e dos fatos ocorridos na partida entre Ceará Sporting Club e São Paulo Futebol Clube, realizada nesta quarta-feira (25), pelo Campeonato Brasileiro da Série A, a Comissão Nacional de Arbitragem esclarece a cronologia dos acontecimentos que levaram à anulação de gol do São Paulo Futebol Clube:

1 – Importante registrar que, inicialmente, a arbitragem de campo, diante do lance concluído, marcou impedimento do atacante do São Paulo, invalidando o gol.

2 – Após a primeira checagem da jogada de ataque do São Paulo, o árbitro de vídeo informou tratar-se de lance legal, o que fez com que o árbitro central validasse o gol para a equipe visitante de forma factual, ou seja, sem necessidade de ir até a área de revisão.

3 – Constatado que haveria mais um lance a ser revisado, o árbitro de vídeo imediatamente iniciou este segundo procedimento de checagem, momento em que solicitou ao árbitro central que aguardasse o processo ser concluído para, aí sim, determinar o reinício da partida.

4 – Acontece que uma comunicação paralela, mantida entre o árbitro central e o quarto árbitro, a respeito da aplicação de um cartão amarelo para um jogador do Ceará, prejudicou a comunicação que vinha sendo mantida entre o árbitro de campo e o VAR. E fez com que o árbitro central não ouvisse a solicitação da cabine do VAR e autorizasse o reinício da partida.

5 – Imediatamente o VAR alertou ao árbitro, que interrompeu a partida para que o procedimento de checagem, que já estava em curso antes do reinício, fosse concluído.

6 – Por fim, o VAR comunicou ao árbitro central que o lance que deu origem ao gol foi ilegal e que, portanto, deveria ser mantida a decisão inicial da arbitragem de campo, que invalidou o gol de forma correta.

Diante do ocorrido, a Comissão Nacional de Arbitragem facultou aos clubes envolvidos na partida a possibilidade de comparecerem à sede da Confederação Brasileira de Futebol para os esclarecimentos que se façam necessários.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.