Bastidores

Candidato à presidência do São Paulo, Natel tem computador apreendido pela polícia

Gazeta
Gazeta Esportiva
Candidato à presidência do São Paulo, Natel tem computador apreendido pela polícia

17 de setembro de 2020 - 17:15 - Atualizado em 17 de setembro de 2020 - 17:45

Em meio à corrida eleitoral do São Paulo, um computador utilizado pelo candidato à presidência Roberto Natel foi apreendido pela Polícia Civil. O dirigente é suspeito de vazar informações a um suposto hacker que chantageava membros da diretoria e do Conselho. A notícia foi publicada inicialmente pelo Uol Esporte.

Na última terça-feira, a Polícia Civil esteve no Morumbi para realizar a apreensão de um computador utilizado por Roberto Natel. Agora, o caso está sendo averiguado pela quarta delegacia de fraudes patrimoniais praticadas por meios eletrônicos.

Em contato com a Gazeta Esportiva, Roberto Natel apontou que as acusações têm o objetivo de prejudicar a sua candidatura nas eleições presidenciais do Tricolor.

“Com certeza (têm relação com as eleições) , as suspeitas estão sendo levantadas sem fundamento, com o único objetivo de prejudicar nossa campanha. As denúncias e as acusações surgem em momentos estratégicos das eleições. Mas acreditamos que a postura ilibada da justiça irá prevalecer sobre isso”, disse o dirigente.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o candidato também enviou um comunicado oficial, com o objetivo de esclarecer o ocorrido. (Veja abaixo)

Rachado com o mandatário Leco, Roberto Natel é vice-presidente do São Paulo e agora lidera a chapa “Resgate Tricolor”, que no fim do ano disputa as eleições contra a “Juntos pelo São Paulo”, de Julio Casares.

Confira o comunicado oficial de Roberto Natel: 

“Sobre a apreensão de computadores pela polícia civil na sede do Morumbi nesta última terça-feira, Roberto Natel informa que:

O computador apreendido na sede do São Paulo não é de propriedade de Roberto Natel, mas item de posse do São Paulo Futebol Clube. Roberto Natel informa ainda que não tinha conhecimento da atual localização do computador, visto que há mais de um ano não frequenta a sala destinada à vice-presidência – alterada pela atual presidência à revelia de seu conhecimento e consentimento.

Ainda assim, Roberto Natel manifesta que não tem nenhuma objeção quanto à investigação deste item apreendido, bem como de qualquer outro computador de seu uso pessoal. Pelo contrário: Roberto Natel incentiva que a investigação ocorra e diz que está à disposição para colaborar para que o caso seja esclarecido e que os verdadeiros culpados sejam responsabilizados. ‘Se há uma vítima nessa história é o São Paulo e o seu vice-presidente’, diz Roberto Natel”.

Natel venceu disputa interna com Marco Aurélio Cunha para ser candidato da chapa “Resgate Tricolor” (Foto: Reprodução/Instagram)

Entenda o caso:

O caso envolvendo o suposto hacker teve início em novembro de 2019, quando conselheiros do Tricolor receberam e-mails na autoria de “Edward Lorenz”, exigindo o pagamento de R$ 1 milhão. Caso contrário, haveria a divulgação de informações confidenciais.

Após as ameaças, a diretoria do São Paulo realizou uma apuração que indicou que Roberto Natel poderia ser o responsável por vazar os arquivos.

De acordo com o GE, o vice-presidente alegou que sua rede interna havia sido invadida. No entanto, uma perícia contratada pelo clube do Morumbi apontou que isso não ocorreu.

Em seguida, o Tricolor utilizou um documento com o orçamento de 2020 como isca para buscar o responsável pelos vazamentos. Natel recebeu um e-mail que continha um erro gramatical proposital na palavra “prêmio”, sendo escrita sem acento (premio).

Conforme as imagens divulgadas no Uol Esporte, os documentos utilizados pelo suposto hacker continham o mesmo erro gramatical, aumentando as suspeitas em cima de Natel.