Esportes

Campello não acredita que atletas do Vasco entrem na Justiça por liberação

Redação RIC Mais
Redação RIC Mais
Campello não acredita que atletas do Vasco entrem na Justiça por liberação

30 de abril de 2020 - 00:00 - Atualizado em 30 de abril de 2020 - 00:00

Desde o último dia 20 de abril, o Vasco da Gama deve três meses de salários aos seu jogadores. Isso dá condição aos atletas de requerer o rompimento de seus contratos. Presidente do Vasco, Alexandre Campello não acredita que atletas entrem na Justiça por liberação do compromisso com o clube.

Em entrevista à Vasco TV na noite desta quarta-feira, o dirigente admitiu as dificuldades do clube. Campello aposta na parceria construída com o elenco ao longo dos últimos anos, além da compreensão com a questão dos efeitos da pandemia sobre as finanças do Vasco.

Presidente do Vasco, Alexandre Campello comentou sobre os salários atrasados que o clube deve aos atletas (Foto: Divulgação/Rafael Ribeiro)

“Até o momento que houve a paralisação, o Vasco devia dois salários. É sabido que a partir do terceiro mês de atraso, o atleta pode ingressar na Justiça pedindo a rescisão do contrato”, disse Campello.

“Eu não acredito até pela parceria e pela forma como os jogadores se comportaram ao longo dos anos de 2018 e 2019, sempre entendo o esforço da direção e sempre sendo parceiros do clube. Eles abraçaram o clube, passaram por momentos difíceis sempre se mostrando parceiros. Eu não acredito que num momento como esse, de grande dificuldade por que passa o mundo inteiro, alguém ingresse na Justiça com esse pedido. Não tive informação de nenhum atleta que estivesse pensando em fazer esse movimento”, completou.

Impacto da pandemia

Alexandre Campello ressaltou o forte impacto da paralisação na já precária situação das finanças do Vasco.

“Obviamente com essa pandemia o Vasco não pôde honrar com seus compromissos. Se já tinha a dificuldade antes da pandemia, essas dificuldades obviamente aumentaram e muito. A gente estima que esse impacto seja de pelo menos R$ 40 milhões. Mas nesse momento não há como precisar o tamanho do problema, até porque a gente não sabe quando as atividades vão voltar, quando os campeonatos vão retornar. Hoje ainda não dá para medir isso, mas estimo que não deva ser menor do que R$ 40 milhões o impacto dessa pandemia”.

O clube, entretanto, não está parado. O mandatário vascaíno garantiu que a diretoria está fazendo o possível para enfrentar a situação.

“Nós estamos trabalhando bastante no sentido de tentar solucionar essa questão financeira. Estamos tentando negociar direitos de transmissões, tentando suspender pagamentos. O trabalho tem sido exaustivo, e a gente espera que gere frutos o mais rapidamente possível”, concluiu Campello.