Esportes

Bicampeão mineiro como jogador, técnico do Tombense encara Atlético-MG por nova taça

Gazeta
Gazeta Esportiva

26 de agosto de 2020 - 08:00 - Atualizado em 26 de agosto de 2020 - 08:15

Nesta quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), no Mineirão, Atlético-MG e Tombense dão o pontapé inicial na disputa da final do Campeonato Mineiro. Bicampeão do torneio estadual como jogador do Cruzeiro, o técnico Eugênio Souza agora tenta conquistar o troféu pelo Gavião-Carcará.

O ex-zagueiro venceu o troféu nos anos de 1984 e 1987, justamente contra o Galo. Em entrevista à Gazeta Esportiva, ele afirmou que sente “alegria e satisfação” por voltar a disputar a decisão da primeira divisão do Mineiro.

“(Sentimento de) muita alegria e satisfação de ter trabalhado muito para chegar nesse momento, dessa construção dessa campanha do Tombense. Lógico que, se me perguntasse lá no início da nossa preparação se a gente tinha essa ideia, com certeza não. A gente tinha o objetivo de se classificar, se garantir na Copa do Brasil e se livrar do rebaixamento. Mas, as coisas foram acontecendo e trabalhamos muito, com muita dedicação, e graças a Deus conseguimos”, declarou o comandante.

Campeão da Segunda Divisão do Campeonato Mineiro, do Módulo II e da Série D do Brasileirão, Eugênio Souza falou em “emoção muito grande” por estar na final da elite do estadual pela primeira vez como treinador.

“Final é sempre final. É um momento de alegria, de satisfação. Eu já tenho títulos de segunda divisão do Mineiro, Módulo II, Campeonato Brasileiro (Série D), várias situações assim. Na primeira divisão do Campeonato Mineiro é a primeira vez, então é uma alegria muito grande e uma emoção muito grande. Me sinto bem feliz”, contou.

Na Série C do Campeonato Brasileiro, o Tombense não teve um bom começo, com duas derrotas e uma vitórias em três jogos. Apesar disso, o técnico da equipe de Tombos afirmou que os resultados negativos na competição nacional não são motivo de preocupação, mas, sim, ajudam a deixar o time mais preparado para a decisão.

“Virar a chave, não adianta. Sobre o que passou na Série C, a gente tem análises do que precisamos, do que fizemos principalmente nesses dois jogos que perdemos, do que fizemos para ganhar do São José. São análises e conclusões que temos que chegar. Isso só nos deixou mais alertas porque sabemos o nível do Atlético, de Série A, e temos que ter mais precauções, errar menos e jogar mais futebol. Só nos alerta, não é motivo de preocupação. Ficamos tristes de perder, mas o importante é virar a chave e focar nesses dois jogos”, explicou.

Além disso, Eugênio destacou que o Gavião-Carcará deve aproveitar a sequência de duas derrotas consecutivas do Atlético para superar as disparidades de investimento entre os dois clubes. A equipe de Jorge Sampaoli perdeu para Botafogo (2 a 1) e Internacional (1 a 0) nos últimos compromissos pelo Brasileirão.

“A gente sabe do investimento do Atlético, 140 milhões, mudou o time todo, implementou uma nova mentalidade de jogo, com conceitos modernos. Os dois últimos resultados não foram satisfatórios, e a gente sabe que, com isso, a pressão aumenta. Há a necessidade desse título para as coisas se acalmarem. Mas, do outro lado tem o Tombense, um time de qualidade, um time guerreiro. E a gente espera também tirar vantagem disso e não se intimidar em um momento como esse, tirar proveito de uma forma inteligente para poder superar”, concluiu.

O jogo de volta está marcado para o próximo domingo (30), às 16h (de Brasília), novamente no Mineirão. O Tombense tem a vantagem do empate por ter feito melhor campanha na primeira fase.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.