Esportes

Após superar covid-19, judoca Antônio Tenório buscará sétima medalha paralímpica em Tóquio

Gazeta
Gazeta Esportiva

23 de agosto de 2021 - 15:38 - Atualizado em 23 de agosto de 2021 - 16:00

O judoca Antônio Tenório, totalmente cego desde os 19 anos, representará o Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio. Após contrair o novo coronavírus em março e ter 80% do pulmão comprometido, o paulista ficou internado por 18 dias.

Felizmente, ele não precisou de intubação e, em seguida, conseguiu se recuperar de forma plena.

“Só Deus explica a minha permanência no judô paralímpico. Às vezes acho que nem era para eu estar mais presente nesse mundo. É um privilégio estar aqui mais uma vez defendendo o Brasil”, comenta, emocionado.

Agora, o atleta de 50 anos se prepara para a disputa das Paralimpíadas no Japão: “Sabemos a dificuldade do torneio, mas a expectativa é subir ao pódio mais uma vez. Temos treinado forte e, independente do resultado, tenho certeza que vou fazer o meu melhor.”

Considerado o maior judoca brasileiro paralímpico de todos os tempos, Antônio já conquistou seis medalhas na competição: quatro de ouro, uma de prata e outra de bronze.

Tenório também ocupa atualmente o quarto lugar no ranking mundial da classe B1 (cegos totais ou com percepção de luz, mas sem reconhecer o formato de uma mão a qualquer distância), na categoria até 100kg.

O judoca brasileiro entende que a idade não é uma barreira para disputar competições de alto nível: “Meus planos são ir até Paris, quando vai se formar a categoria de B1 por lá e, com certeza, eu vou pendurar a chuteira aos 54 anos. Agora sim é uma promessa.”

Antônio Tenório estreará em solo japonês na sexta-feira, dia 27 de agosto, na Arena Nippon Budokan, em Tóquio.