Esportes

Análise da Fifa mostra números do VAR no Brasil: confira

Gazeta
Gazeta Esportiva

10 de junho de 2021 - 11:50 - Atualizado em 10 de junho de 2021 - 12:30

A Fifa fez um estudo em conjunto com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que mostra os números do VAR no Brasil nos primeiros três anos de utilização da ferramenta no país.

A tecnologia de campo passou a ser discutida pela Fifa em 2009 e foi usada no Brasil com maior regularidade a partir do segundo semestre de 2018, com a Copa do Brasil.

Ao todo, somando 2018, 2019 e 2020, o VAR esteve presente em 851 partidas. Dessas, 760 foram de Campeonato Brasileiro, 74 de Copa do Brasil, seis do Brasileirão Feminino A1, oito somando Copa Verde e Copa do Nordeste e uma pela Supercopa do Brasil.

Segundo o estudo, em 2020 foram feitas 2.698 checagens somadas à revisão do lance pelo árbitro, uma média de 7,1 por jogo. Foram 2.486 checagens e 212 lances revistos ao longo do ano. Dos 212 lances revistos, 188 mudaram a decisão do árbitro em campo e 24 não alteraram a opinião da arbitragem.

Dos lances revistos em 2020, 48 estavam relacionados com impedimento em lances de gol (19 anulados e 27 confirmados). 67 foram lances de pênaltis, com 59 marcados e oito não. 27 estavam relacionados com validação de gols, sendo que 23 foram anulados e 7 confirmados.

Com a introdução do VAR, aumentaram o número de cartões vermelhos ao longo das partidas. Em 2019, os cartões aumentaram em 21,6%, enquanto em 2020 o número cresceu em 19,7%. Os números de pênalti também tiveram um crescimento considerável. Em 2019 o aumento foi de 29,5% enquanto em 2020 foi de 22,2%.

Entre os jornalistas do país consultados pela pesquisa, 88% foram a favor da permanência do VAR como um meio para auxiliar a arbitragem no andamento dos jogos. Apenas 11% se colocaram contra a tecnologia.

Um ponto que gera muito debate em relação ao VAR, é o tempo de paralisação que ele gera no jogo. Segundo a Premier League, o tempo médio de uma decisão que será impactada pelo VAR é de 84 segundos. Com relação às checagens, elas geram em média um atraso de 22 segundos em um jogo inteiro.

Segundo o estudo da Fifa, o tempo médio de uma checagem do VAR no Brasil em 2019 foi de 43 segundos. Em 2020, foi de 46 segundos e somando os dois anos a média fica de 45 segundos de demora.

O tempo da revisão somada com a checagem, naturalmente, aumenta. Em 2019, o árbitro levava em média 84 segundos para definir um lance através de checagem. Em 2020 diminuiu para 73. Somando os dois anos, a média é de 79 segundos.

“Os números mostram que os árbitros estão decidindo em menos tempo, sem abrir mão da precisão, que é o mais importante para todas as partes envolvidas no esporte mais popular que temos”, disse Leonardo Gaciba, chefe de arbitragem da CBF.

“Quanto mais os árbitros principais tomarem a decisão certa, menos o vídeo será utilizado. O mais importante é que a equipe de árbitros, como um todo, tome a decisão certa ”, afirmou Gaciba.

Informamos aos nossos visitantes que nosso site utiliza cookies. Ao usar nosso site, você concorda com nossos Termos de Uso. A maioria dos navegadores aceita cookies automaticamente. Para ver quais cookies utilizamos, acesse nossa Política de Privacidade.